Apucarana

Pílula do câncer: esperança dos diagnosticados é questionada por especialista

Da Redação ·
A Fosfoetanolamina, a droga brasileira produzida pela Universidade de São Paulo (USP) e que promete curar o câncer, tem sido motivo de muita polêmica - Foto: Cecília Bastos/USP Imagens
A Fosfoetanolamina, a droga brasileira produzida pela Universidade de São Paulo (USP) e que promete curar o câncer, tem sido motivo de muita polêmica - Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

A Fosfoetanolamina, a droga brasileira produzida pela Universidade de São Paulo (USP) e que promete curar o câncer, tem sido motivo de muita polêmica. Pessoas com a doença tem "apostado" tudo na substância. Apesar de nunca ter sido testada como medicamento, a pílula do câncer, como é chamada popularmente, ganhou notoriedade depois de ter sido distribuída por um professor do Instituto de Química de São Carlos.

continua após publicidade

Oncologista Doutor Bruno Scardazzi Pozzi

Durante mais de 20 anos, o químico distribuiu gratuitamente e por iniciativa própria a Fosfoetanolamina para diversos pacientes e muitos relataram melhoras significativas e até a cura da doença. Uma portaria da USP, universidade a qual o IQSC é ligado, no entanto, proibiu em 2014 a distribuição do medicamento, justamente pela falta de testes, pesquisas, registro e autorização da Anvisa. Após o encerramento da produção da droga por parte da USP, milhares de pedidos judiciais foram, e continuam sendo protocolados para a universidade conceder a fórmula.

O oncologista Bruno Scardazzi Pozzi, radicado no setor de oncologia do Hospital da Providência, em Apucarana (norte do Paraná) lembra que conforme a legislação brasileira, para que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária reconheça uma droga como um medicamento legal, permitindo assim sua fabricação e comercialização, é preciso que o produto, através de comprovação científica e de análise, “seja reconhecido como seguro e eficaz para o uso a que se propõe, e possua a identidade, atividade, qualidade, pureza e inocuidade necessárias”.

Por ser um medicamento novo, há exigência de que sejam oferecidas “amplas informações sobre a sua composição e o seu uso, para avaliação de sua natureza e determinação do grau de segurança e eficácia necessários”. 

"Essa aprovação só pode ser alcançada após a realização de testes em seres humanos, que servirão como base para a comprovação de que os benefícios do medicamento superam seus eventuais riscos", afirma o oncologista.

De acordo com médico, a complexidade de formas, variações, reações e transformações através das quais uma doença como o câncer se manifesta faz com que seja improvável a ideia uma cura definitiva para essa doença com um único remédio para todos os tipos de neoplasia.

continua após publicidade

"Cada tipo de câncer tem manifestações diferentes e há ainda as peculiaridades genéticas de cada paciente, que faz com que a droga tenha efeitos diferenciados em cada indivíduo. Um medicamento usado para tratar câncer linfático, por exemplo, não tem eficácia para combater tumor no pâncreas. Essa é a realidade que deve ser esclarecida para a população", diz Bruno.

"Quando a situação é desesperadora, qualquer possibilidade é uma esperança"

A profissional liberal Maria Ercília de Souza, residente em Apucarana, conta que um irmão dela, de 46 anos, faleceu recentemente com câncer no fígado."Meu irmão não chegou a ser tratado como a Fosfoetanolamina, mas não hesitaria em concordar que ele tomasse o remédio se o medicamento estivesse a nossa disposição, pois quando a situação é desesperadora, qualquer possibilidade de cura é uma esperança tanto para o enfermo como para a família do doente", pontua.

"Igual erva daninha"

O médico Michel Aoki, radicado em Apucarana, compara o câncer a ervas daninhas. "Essa doença é realmente uma praga; como mato que cresce no jardim: você tira as células doentes através de cirurgia e elas reaparecem em outro lugar do corpo. Acredito que será através do avanço do estudo genético que poderemos um dia vencer a batalha contra essa doença", supõe Aoki.