Apucarana

Família Metta representa 14% da venda de crisântemos do Paraná

Da Redação ·
Em Apucarana, a família Metta trabalha há mais de 40 anos com plantio de flores - Foto: José Luiz Mendes
Em Apucarana, a família Metta trabalha há mais de 40 anos com plantio de flores - Foto: José Luiz Mendes

Três gerações, um mesmo ofício. A família Metta, de Apucarana, há quarenta e cinco anos se dedica ao plantio de flores. Atualmente, além dos seis filhos de seu Ildefonso, 74, e Maria Carvalho Metta, 73, os netos também começam a conhecer as técnicas de cultivo de crisântemos, tangos, gérberas, áster, rosas, entre outras espécies. Em quatro décadas de trabalho muita coisa mudou no processo produtivo, as estufas são automatizadas e as mudas são compradas, e não mais enxertadas, mas algo que não se alterou com o tempo é a dedicação e o carinho com as flores.

continua após publicidade

Juntas as propriedades família Metta produzem, somente para o Dia de Finados 200 mil vasos de crisântemos, nos outros meses do ano cada filho é responsável pela sua produção e escolhe a espécie que mais se identifica. Luís Carlos, 48, e José Ângelo, 44, por exemplo, produzem crisântemos o ano inteiro. Já Carlos Roberto, 49, aposta na produção de gérberas. Marcos Aurélio também produz crisântemo, mas de pacote, para decoração. Ildefonso Júnior, 38, produz gérbera de corte e áster. E Sérgio Henrique, 42, é o responsável por cultivar rosas, espécie que deu início ao negócio da família.

Ildefonso, que na época era mecânico, recorda que um dia precisou comprar peças para concluir o conserto de um trator. Porém, ao chegar na Massey Ferguson, em São Paulo, não conseguiu comprar a peça de imediato. Enquanto esperava, resolveu conhecer Roselândia e comprar algumas mudas de rosas, que foram plantadas na chácara do sogro. Após seis anos pesquisando qual era a melhor maneira de fazer enxerto, pulverizar e podar as rosas, ele decidiu vender a casa e comprar uma chácara no Contorno Sul de Apucarana. “Um belo dia, depois da poda, vi uma roseira florida com 75 rosas. Aquela imagem me impressionou e disse para mim mesmo: agora eu já sei plantar rosas”, recorda.

continua após publicidade

O conhecimento da profissão, segundo seu Ildefonso, que hoje tem como hobby um orquidário com mais de 1500 variedades, foi passado de forma natural aos filhos no dia a dia. “Sempre nos entendemos muito bem e estamos juntos até hoje. E com o negócio prosperando”, afirma. Seu Ildefonso começou com uma chácara de dois alqueires. Atualmente são três chácaras dedicadas exclusivamente para a produção de flores.

Na opinião de Luís Carlos, que já vendeu dois imóveis na cidade para aumentar a área da chácara, seguir os passos do pai foi uma decisão acertada. “Eu gosto muito do que faço. Sempre estou pesquisando para saber o que posso melhorar. Recentemente, comecei usar produtos homeopáticos para controlar pragas e diminui com isso 40% o uso de agrotóxicos”, diz.

O filho de Luís Carlos, Luís Guilherme, 20, também garante que nem pensa em mudar de ofício. “Tive várias oportunidades no esporte e também como modelo, mas essa vida eu não troco”, assegura.

continua após publicidade

Nova Geração

Formado em Agronegócios, Luís Guilherme Metta, 20 anos, acredita que o conhecimento acadêmico vem para somar e, futuramente, expandir ainda mais o negócio da família. “O meu avô e o meu pai já mostraram que o que fizeram dá certo, mas nós (netos) chegamos com novas ideias”, diz. Entre as ideias do caçula nos negócios está a automatização das estufas. “Era bem difícil fazer todo o trabalho manual. Por exemplo, o crisântemo é uma flor que se desenvolve mais à noite, mas como produzimos no verão também sempre tínhamos que ficar puxando a lona manualmente, o que era muito trabalhoso”, sublinha.

Outra inovação de Luís Guilherme é aproveitar a entressafra de crisântemos para cultivar tomate. “Estamos fazendo um teste em uma das estufas usadas semente para a produção de crisântemos de Finados”, revela Luís Carlos Metta, 48, pai de Luís Guilherme. O filho entende que, como o investimento foi alto para a construção da estufa, não pode ficar parada. Ao ver a disposição do filho, seu Luís Carlos esbanja orgulho. “Fico muito contente por ser uma escolha dele. Ele teve outras oportunidades, mas preferiu ficar aqui”, diz.

continua após publicidade

Família Metta representa 14% da produção de crisântemos do PR

Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) a família Metta responde por 14% da produção de crisântemo de todo o Estado. Além do Paraná, as flores que saem das estufas de Apucarana, no Contorno Sul e no Distrito de Pirapó, abastecem também o interior de São Paulo. Mas nem sempre os números impressionaram, quando seu Ildefonso iniciou na atividade, no início da década de 1970, a falta de informação sobre cultivo de flores na região fez com que o negócio progredisse de forma tímida. Atualmente, quando precisa inovar no negócio sempre busca informações em centros de referência, como Holambra, em São Paulo.