Apucarana

Adesão à greve dos bancários aumenta e afeta prazo de depósitos

Da Redação ·
Bancários rejeitam proposta da Fenaban e deflagram greve - Foto: Delair Garcia
Bancários rejeitam proposta da Fenaban e deflagram greve - Foto: Delair Garcia

Os clientes de alguns bancos de Apucarana tiveram uma surpresa ao procurar serviços nos caixas eletrônicos ontem. Depósitos agora possuem prazos menores de compensação. Avisos afixados nos estabelecimentos informam que a medida foi tomada por conta da greve dos bancários, iniciada na semana passada. Essa foi a primeira medida de redução de serviços não presenciais feita pelas instituições financeiras após o início da paralisação da categoria.

A greve continua por tempo indeterminado e ontem ampliou adesão também em Faxinal. Por conta da paralisação, no caso da Caixa Econômica Federal (CEF), por exemplo, os depósitos são compensados no mesmo dia se forem feitos até as 12 horas. Já no Banco do Brasil, esse prazo é até as 13 horas, segundo os avisos fixados no locais. Antes da greve, a maioria dos bancos usava como prazo o horário bancário.

Depósitos até as 15 horas eram geralmente compensados no mesmo dia, salvo algumas exceções, como cheques de outras praças. Clientes surpreendidos no retorno do feriado reclamam da situação. A auxiliar de serviços gerais Marilene de Assis afirma que foi pega de surpresa com a notícia. “Eu não estava sabendo que esse prazo seria alterado pelos bancos. Acredito que isso seja prejudicial, já que nem todo mundo tem a disponibilidade de ir ao banco até o horário estipulado. Essas pessoas vão acabar tendo que esperar até o dia seguinte”, lamenta.

O comerciante José Carlos de Souza também acredita que a situação pode gerar problemas. “Com certeza atrapalha o cidadão. Acredito que muita gente não sabia dessa situação. Os bancos poderiam ter avisado de alguma forma, talvez anunciado nos meios de comunicação, para que as pessoas não ficassem tão perdidas”, avalia. A auxiliar administrativo Lucineide Venério também reclama. “O horário já era restrito e agora ficou ainda mais. Infelizmente nessas situações o povo é quem sai prejudicado.

Acredito que a greve é justa, mas não deveria causar transtornos para a população”, diz. O diretor do Sindicato dos Bancários de Apucarana e Região, Antônio Pereira da Silva, explica que a medida foi tomada pelos bancos por conta de uma diminuição no número de funcionários. “A greve, infelizmente, acaba gerando dificuldades para os clientes. Nós não queríamos fazer a paralisação, mas é um absurdo que setores com lucros menores do que o dos bancos ofereçam 10% de reajuste e os bancos fiquem na casa dos 5%, abaixo da inflação”. Antônio ressalta ainda que, apesar dos problemas, os serviços estão sendo feitos. “Entendemos que há uma redução no prazo, mas o serviço não deixou de ser feito, isso é importante”.

continua após publicidade