Apucarana

Programa financia 590 casas em Apucarana

Da Redação ·
mais 590 casas foram disponibilizadas para Apucarana através do Programa Minha, Casa Minha Vida, do Governo Federal - Foto: Delair Garcia
mais 590 casas foram disponibilizadas para Apucarana através do Programa Minha, Casa Minha Vida, do Governo Federal - Foto: Delair Garcia

Com investimentos de R$ 44,5 milhões, mais 590 casas foram disponibilizadas para Apucarana através do Programa Minha, Casa Minha Vida, do Governo Federal. Os interessados devem ir até o Cine Teatro Fênix na próxima segunda e terça-feira, às 19 horas, quando será apresentado o projeto do Residencial Barcelona. Na oportunidade, será iniciado o processo de cadastramento com o detalhamento do sistema construtivo, prazo de execução e condições de financiamento. As unidades serão construídas através da faixa II do programa, atendendo famílias com renda entre três e seis salários mínimos. 

continua após publicidade

O anúncio foi feito ontem pelo prefeito de Apucarana, Beto Preto, após reunião com diretores do consórcio que vai construir o residencial e com a secretária municipal de Assistência Social, Márcia Regina de Sousa. Estiveram presentes no encontro Gilberto Braz Palma, diretor da Monolux Construções Civis Ltda e o engenheiro da construtora, Douglas Tardivo. Além da Monolux, que lidera o consórcio, o empreendimento contará com a participação da Construtora Cantareira, também de Maringá, e que esteve representada na reunião pela gerente de projetos, Mônica Nicolau, e pelo engenheiro Sidnei Telles.  “Colocamos nossa equipe da Assistência Social à disposição do consórcio, que irá encaminhar as pessoas cadastradas que não se enquadram na “faixa 1” do programa dando oportunidades delas acessarem a “faixa 2” do programa”, explica Beto Preto. 

O prefeito destaca que o Residencial Barcelona segue um novo conceito, pois colocará as famílias próximas de um parque industrial que será implantado em área localizada em frente ao Núcleo Habitacional Adriano Correia. “Serão casas que terão paredes de concreto com 10 centímetros de espessura, garantindo conforto térmico e acústico. Além disso, as unidades ficarão a menos de 500 metros da Cidade Industrial da Juruba que será implantada no mesmo terreno. Com isso, futuramente, os moradores poderão buscar emprego perto da casa onde moram”, assinala Beto Preto. 

continua após publicidade

O empreendimento já conta com a licença prévia do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e o prazo para construção das casas é de 24 meses. “As obras terão início após o fechamento do cadastro das primeiras 150 unidades”, solicita Gilberto Braz Palma, diretor da Monolux. De acordo com ele, nesta modalidade o valor da entrada pode ser parcelado em 24 meses junto à construtora, enquanto o restante é financiado pela Caixa Econômica Federal em até 360 meses. “Os valores variam de acordo com critérios do programa, mas supondo o caso da renda familiar de R$ 1.600, o teto do subsídio seria de R$ 17.960 e as prestações mensais seriam decrescentes, partindo de R$ 480 e finalizando em R$ 200”, explica Braz Palma. 

As unidades do residencial terão 46 metros de área, construídas em terrenos com dimensão de 180 metros quadrados. “A casa tem dois quartos, sala, cozinha, banheiro e tanque de lavar roupa. As paredes serão de concreto, laje plana, cobertura com telhas de cerâmica, esquadrias de alumínio e as pingadeiras e soleiras em granito”, detalha Braz Palma.