Apucarana

Paranatex investe US$ 7 mi no Paraguai

Da Redação ·
Fábrica em Assunção terá cerca de 150 funcionários, com tamanho aproximado de 50% da unidade apucaranense | Foto: Sérgio Rodrigo
Fábrica em Assunção terá cerca de 150 funcionários, com tamanho aproximado de 50% da unidade apucaranense | Foto: Sérgio Rodrigo

A fabricante de tecidos Paranatex, de Apucarana, está planejando criar uma nova linha de produção no Paraguai. A empresa já adquiriu um terreno na capital do país, Assunção, e está em vias de finalizar o projeto para a nova fábrica. Os desafios de se instalar em um novo país têm sido estudados pela direção da empresa há diversos meses. No entanto, as vantagens do país vizinho se mostraram cruciais para o novo empreendimento.

continua após publicidade

De acordo com o diretor da empresa, Eros Felipe, a nova fábrica irá proporcionar a entrada da empresa no mercado do jeans, produto que não é fabricado na unidade de Apucarana. “Este é um objetivo que tínhamos há anos. Há cerca de um ano, vimos a viabilidade de ser construída esta fábrica no Paraguai e começamos a estudar. Já compramos o terreno e o projeto já está terminando”, afirma. Segundo ele, o investimento deverá ficar entre US$ 7 e 8 milhões. A fábrica terá 150 funcionários, sendo a maioria paraguaios. Cargos técnicos e de chefia serão ocupados por brasileiros. 

Quando estiver funcionando plenamente, a fábrica entregará em torno de 800 mil m² de tecido. Ela terá menos da metade do tamanho da fábrica de Apucarana, que continua sendo o carro-chefe da empresa, mas já há a possibilidade de ampliação. “É importante frisar que os investimentos em Apucarana continuam”, afirma Eros. O diretor acredita que o mesmo empreendimento seria realizado no Brasil custando, pelo menos, 30% a mais. “Infelizmente os custos aqui são muito altos. Todo o maquinário é importado e o Paraguai não tem taxa de importação. Fora as outras taxas, tributos e índice de juros, tudo muito alto. A energia elétrica lá vale 30% do que eu pagaria aqui. 

continua após publicidade

A mão-de-obra também é mais barata. Tudo isso ajuda na hora de diminuir os custos da produção”, afirma, lembrando ainda que o retorno do investimento deverá ser feito em cerca de cinco anos, metade do que seria no Brasil. No entanto, existe algo lá que é parecido com aqui: a burocracia. Atualmente, as licenças necessárias para o funcionamento da empresa estão sendo providenciadas, o que demora algum tempo. O planejamento é que a fábrica fique comece a funcionar pelo menos daqui um ano e meio. Uma loja da Paranatex deverá ser implantada em Assunção nos próximos meses