Apucarana

Polícia Civil lacra indústria suspeita de poluir Lago Jaboti

Da Redação ·
Dispositivos de tratamento dos resíduos da empresa não cumprem função, afirma Secretaria de Meio Ambiente (Foto: Delair Garcia)
Dispositivos de tratamento dos resíduos da empresa não cumprem função, afirma Secretaria de Meio Ambiente (Foto: Delair Garcia)

Uma operação realizada Polícia Civil em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente de Apucarana, identificou e lacrou ontem, uma lavanderia industrial que estaria poluindo o Lago Jaboti. A empresa Estação da Malha, localizada na Avenida Governador Roberto da Silveira, estava lançando resíduos diretamente nas galerias de águas pluviais, sem o devido tratamento, segundo apurado pelas autoridades durante fiscalização.

continua após publicidade

O proprietário não foi localizado pela polícia, contudo, vai responder pelo crime ambiental além do pagamento de multa, ainda não estipulada. Esta é a terceira empresa interditada no município pelo descumprimento da legislação ambiental em apenas uma semana.

Foram inúmeras irregularidades encontradas, afirma o secretário de Meio Ambiente, Ewerton Pires. Além de funcionar sem licença ambiental, a empresa operava sem outorga de direito para uso de recursos hídricos para o lançamento de efluentes. No imóvel também foi encontrada grande quantidade de madeira sem comprovação de origem e funcionários trabalhando sem equipamentos de segurança.

continua após publicidade

De acordo com Pires, a empresa realiza um processo de lavagem e tingimento de tecidos. Os resíduos produzidos durante o processo deveriam receber tratamento físico-químico e biológico. No entanto, o sistema de decantação existente no local está ultrapassado, na avaliação do secretário.

“Esta é uma das fontes de poluição do Lago Jaboti comprovadamente. Este trabalho vai contribuir com a melhora na qualidade da água e com a redução da mortandade de peixes e de outros animais que habitam a fauna no entorno do lago. Por isso parabenizo a Polícia Civil por este tipo de iniciativa”, assinala. Além de responder criminalmente por causar poluição de qualquer natureza e por funcionar empreendimento sem a devida autorização, ainda será multada pelos danos causados ao meio ambiente.

continua após publicidade

FORÇA-TAREFA

Polícia Civil chegou até a indústria por determinação do Ministério Público (MP), que recebeu a denúncia do crime ambiental. “Mais uma empresa agindo com irresponsabilidade em relação ao meio ambiente, comprometendo o lençol freático com o lançamento de produtos químicos”, destaca o delegado José Aparecido Jacovós, chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP).

Neste mês, uma força-tarefa foi desencadeada para identificar empresas em desconformidade com a lei ambiental. Na semana passada, duas empresas foram lacradas e quatro pessoas presas pelo lançamento irregular de resíduos, entre outras irregularidades. Em um dos casos, uma fábrica fornecedora de ácidos graxos, localizada no Contorno Norte, estava poluindo o Ribeirão Barra Nova. Outras empresas de Apucarana estão sendo investigadas.