Apucarana

Usuários reclamam dos banheiros do lago jaboti

Da Redação ·

O estado precário dos banheiros públicos do Parque Jaboti, em Apucarana, além do lixo acumulado ao redor do lago e da pista de caminhada, estão sendo motivo de reclamações de frequentadores do parque.

continua após publicidade

E-mails enviados à Tribuna por usuários denunciam a situação dos sanitários, principalmente o que fica ao lado do batistério. “No último domingo presenciei senhoras idosas e mães com filhos pequenos pedindo para pessoas com carro levá-las para o outro lado do parque para usar o banheiro, que também não anda em condições apropriadas”, diz o relato de um dos e-mails, cobrando uma medida da prefeitura.

A reportagem esteve no local e se deparou com banheiros públicos abandonados, sem a menor estrutura para uso. Do lado de dentro, paredes, chão e sanitários sujos, a ausência de pias, torneiras e cestos de lixo. Do lado de fora, o abandono também é evidente. Paredes pichadas, encanamentos vazando, lixo jogado por todo o redor.

continua após publicidade

Comerciantes da região ouvidos pela reportagem também relatam que os banheiros viraram morada de mendigos e que o lixo espalhado pelo parque vem espantando fregueses e frequentadores. Em resposta às queixas, o prefeito de Apucarana, Beto Preto, afirma que está finalizando vários projetos que contemplam o Parque Jaboti. “Vamos substituir todas as lixeiras, por modelos de maior porte e de mais visibilidade e esperamos poder contar com a colaboração das pessoas que frequentam o Jaboti”, anuncia o prefeito.

Quanto aos sanitários, o prefeito admite que tem sido difícil manter a conservação do local. “Infelizmente, o mau uso e até depredações dificultam o nosso trabalho e isso acaba prejudicando todas as pessoas que vão ao parque”, avalia, acrescentando que será preciso intensificar a segurança no local. Segundo ele, está em fase de conclusão outro projeto para implantar novas pistas de caminhada e corrida no entorno do lago. “Em breve vamos anunciar o projeto para toda a população”, conclui.(Ariane Bellan)