Apucarana

Paralisação dos caminhoneiros prejudica recuperação asfáltica em Apucarana

Da Redação ·

Além de desabastecimento de mercadorias no comércio e indústria, a greve dos caminhoneiros, que reivindicam a redução dos preços do pedágio e do óleo diesel, bem como reajuste nos valores do frete, também está prejudicando os trabalhos da Secretaria de Obras da Prefeitura de Apucarana. 

continua após publicidade

Devido aos bloqueios realizados nas principais rodovias do Estado, que impedem o trânsito de cargas, a emulsão asfáltica, matéria-prima indispensável para os serviços de tapa-buraco e outros referentes a todo tipo de recuperação de pavimento, não está chegando ao município.

O engenheiro Eduardo Mendonça informa que o material adquirido pela prefeitura, via licitação, é fornecido por uma empresa da região metropolitana de Curitiba. Ele pede compreensão e paciência aos moradores de bairros, cujas vias precisam de recuperação. “Em função deste panorama, até a normalização do fornecimento por parte da empresa licitada, estamos com estoque mínimo, atendendo apenas os casos de urgência”, explica. 

continua após publicidade

De acordo com a Secretaria Municipal de Obras, o contrato é para o fornecimento de mil toneladas de emulsão asfáltica, o que garante continuidade aos serviços de recuperação asfáltica até o final do ano. “Em condições normais recebemos uma carga de 15 toneladas a cada sete dias. Com o advento da greve dos caminhoneiros, estamos com os serviços prejudicados desde a semana passada”, conclui Mendonça.