Apucarana

Padre reclama do uso de celular na missa em Apucarana

Da Redação ·
A mensagem de Jesus está no folheto e não  no celular” Roberto Carrara, pároco da Catedral - Foto: Sérgio Rodrigo
A mensagem de Jesus está no folheto e não no celular” Roberto Carrara, pároco da Catedral - Foto: Sérgio Rodrigo

 Com o avanço da tecnologia, navegar pela internet é possível em qualquer lugar. Quando a conexão é boa, não há limites para acessar a rede pelo smartphone: em casa, no trabalho, no restaurante, na rua... Tem gente utilizando o aparelho até na igreja. O padre Roberto Carrara, pároco da Catedral Nossa Senhora de Lourdes, em Apucarana, não está gostando nada disso. “Deus não se comunica pelo celular”, afirma o religioso. 

Segundo Carrara, ele não é o único incomodado. O padre conta que muitos frequentadores da Catedral estão reclamando do uso do celular dentro da igreja, considerando “desrespeito”. Por isso, ele decidiu intervir. “Estou recomendando durante as missas que as pessoas desliguem seus aparelhos. Antes das celebrações, quando estou acolhendo os cristãos no fundo da igreja, vejo muitos chegar com seus celulares e também faço a advertência”, alerta Carrara.

Segundo o pároco, as reclamações que chegam até ele são trocas de mensagens durante as celebrações, principalmente entre jovens que brincam e dão risada entre si, e os sons dos celulares que atrapalham. “Não é uma iniciativa só minha, pois eu não ouço do altar. Mas as pessoas em volta que querem se concentrar na celebração ficam incomodadas. No último sábado, a gota d’água foi uma pessoa que colocou até música para tocar em plena missa. É demais”, diz Carrara.

O padre reforça para que os cristãos desliguem o celular não só na Catedral, como em qualquer outra igreja. “Quando se está na igreja, a mensagem deve ser direta com Jesus, e ele não se comunica através de celular. A mensagem está no folheto. Se a pessoa não quiser rezar, que não incomode quem quer ouvir a palavra”, alerta Carrara.

ADEPTOS - A advertência do padre ganhou adeptos na cidade. A vendedora Roseli Amaro diz acreditar que o uso da internet no celular virou um vício e as pessoas não sabem distinguir a hora certa de usar o aparelho.

“Muitos não respeitam locais como hospitais, igrejas nem no trânsito. A gente vem na Igreja com intenção de rezar, mas muitos não têm essa consciência de que aqui é um lugar de respeito. Acho que os jovens estão muito envolvidos com essa tecnologia e as relações pessoais estão acabando”, opina. A dona de casa Maria de Lourdes Silva de Souza concorda que o celular tira a concentração de quem quer rezar. “Quando se está na igreja, o certo é esquecer as coisas do mundo lá fora. Apoio o padre nesse pedido”, diz. O padeiro Luis Carlos Domingues complementa: “Eu deixo meu celular em casa ou no carro antes de ir à missa. Uma hora sem contato não prejudica ninguém”.

continua após publicidade