Facebook Img Logo
Mais lidas
Apucarana

Calor e chuva propiciam proliferação da dengue

.

Image Background

A estação mais quente do ano é também a mais favorável à proliferação do mosquito transmissor da dengue. No verão, o comportamento do Aedes aegypti tende a se intensificar com as temperaturas elevadas e as chuvas irregulares, e coloca em alerta as autoridades de saúde.

Segundo dados da 16ª Regional de Saúde de Apucarana, foram 291 notificações de dengue neste ano epidemiológico, iniciado em julho do ano passado, nos municípios da região. Sete casos foram confirmados.  Arapongas é a cidade em que o índice chamou mais atenção, foram 155 notificações e 2 casos confirmados. Em Jandaia do Sul, as notificações foram 59 e as confirmações de dengue 3. Apucarana teve 39 notificações, mas nenhum caso confirmado no período. 

Durante toda esta semana, agentes da dengue do 
município estão trabalhando para 
combater o Aedes aegypti - Foto: Dirceu Lopes



Marilândia e Novo Itacolomi tiveram um caso confirmado cada município.  Para o superintendente da Vigilância Epidemiológica da Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana, Aguinaldo Aparecido Ribeiro, os números da 16ª RS preocupam. “Em função de Apucarana estar situada em uma região de entroncamento entre Londrina e Maringá, onde o fluxo de pessoas é muita intenso diariamente, o risco de uma pessoa de fora da cidade trazer o vírus consigo é grande”.

Durante toda a semana passada, agentes da dengue do município estão realizando o Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa). O resultado sai ainda nesta semana. O último LIRAa foi de 0,5%, o que significa que de cada 100 domicílios, em 5 foram encontradas larvas do mosquito da dengue. “O preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é até 1%, portanto nosso índice ainda é de baixo risco, felizmente”, afirma Ribeiro.

O MOSQUITO - O Aedes aegypti pica durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum que se alimenta somente durante a noite, segundo o superintendente de epidemiologia. Eles se reproduzem dentro ou nas proximidades das habitações, em recipientes onde se acumulam água limpa, como vasos de plantas, cisternas, garrafas pet, bebedouros de animais, entre outros.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Apucarana

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber