Apucarana

Foragido de SP confessa latrocínio

Da Redação ·
Suspeito é usuário de drogas e confessou crime - Foto: Sérgio Rodrigo
Suspeito é usuário de drogas e confessou crime - Foto: Sérgio Rodrigo

Um foragido da capital paulista foi preso na manhã de ontem pela Polícia Civil por envolvimento no latrocínio da comerciante Vanda Luzia Lazore de Oliveira, de 46 anos, que ocorreu na quinta-feira. Dionathan Barbosa Silva Vasconcelos confessou a autoria do crime.

continua após publicidade

Ele foi capturado pela polícia na casa de sua irmã, que reside no Marcos Freire, zona norte de Apucarana, com objetos de propriedade da vítima. 

A delegada Iane Cardoso do Nascimento afirma que, em depoimento, Dionathan admitiu que entrou na loja de Vanda no Loteamento Paz e Bem, também na zona norte, para roubar, mas o crime acabou tomando outra proporção. “Segundo relato, Vanda teria reagido e ele a empurrou. Ela bateu com a cabeça no chão e ele a estrangulou com uma peça de roupa. Dionathan também disse que escolheu a vítima de maneira aleatória, pois estava sob efeito de entorpecentes, e achou que seria tranquilo”, salienta.

continua após publicidade

Ainda segundo a delegada, Dionathan levou camisas, bijuterias e dois celulares da loja e já estava comercializando os itens para fazer uso de drogas. “Os objetos vendidos por Dionathan após o crime foram reconhecidos por parentes de Vanda, o que ajudou na investigação”, diz Iane. A polícia também prendeu uma mulher por receptação de um aparelho celular, brincos e pulseiras provenientes do roubo.

Esse foi o segundo crime que Dionathan praticou em Apucarana, durante os dois meses que está morando aqui. Ele também está sendo investigado por um furto. Dionathan veio de São Paulo, onde teria provocado um incêndio na favela do Sapopemba, na zona leste, em outubro desse ano. Na ocasião, um corpo foi encontrado carbonizado e mais de 200 famílias ficaram desabrigadas.

“Foi tudo por causa da droga. Estou arrependido. Só queria dinheiro para comprar crack”, disse Dionathan à imprensa. Ele também afirmou que não teria usado uma faca para agredir a vítima, hipótese que tinha sido levantada e que o crime teria ocorrido por volta das 9 horas da quinta-feira.