Apucarana

Cancelamento de evento exige mobilização da GM, PM e fiscais

Da Redação ·
Foto: Dirceu Lopes
Foto: Dirceu Lopes

O cancelamento da realização da Feirinha da Madrugada do Brás Itinerante, no Tropical Shopping, na zona norte de Apucarana, gerou uma situação de impasse na manhã desta sexta-feira (7) na entrada do pavilhão de eventos.

continua após publicidade

Guardas municipais, policiais militares e agentes do Departamento de Fiscalização da Prefeitura estão no local para impedir a entrada de caminhões com mercadorias e ônibus com pessoas oriundas do Estado de São Paulo que participariam do evento.

Atendendo ao pedido de membros da Associação Comercial, Industrial e de Serviço (Acia) e da diretoria do Sindicato do Comércio Varejista (Sivana), o prefeito de Apucarana, Beto Preto, cancelou ontem a autorização de funcionamento da Feirinha da Madrugada do Brás Itinerante, que estava programada para acontecer neste final de semana do Tropical Shopping. Uma comissão de 30 lojistas do município esteve no gabinete do prefeito para alertar sobre o prejuízo que o evento poderia supostamente trazer para o comércio local.

Cancelamento de autorização para evento exige mobilização
da GM, Polícia Militar e fiscais da prefeitura - Foto: Dirceu Lopes

continua após publicidade

Já os organizadores da feira reclamam que a prefeitura concedeu alvará de funcionamento após pagamento de taxa e o Corpo de Bombeiros liberou o local para o evento, mas depois houve o cancelamento e proibição da entrada de veículos no pavilhão, o que, conforme eles frisam, supostamente fere o direito contitucuional de ir e vir. Os organizadores da feira não descartam a possibilidade de levar o caso ao conhecimento do Ministério Público. A situação ainda é de impasse no local. 

Veículos foram barrados na entrada do Tropical Shopping - Foto: Dirceu Lopes


“Nós estamos defendendo os interesses do comércio local, que gera emprego e paga impostos. Essa feira não deixa nada para a cidade. O dinheiro que arrecadam não é investido aqui. Temos exemplos de cidades vizinhas em que a feira aconteceu e o comércio comprovadamente amargou grande prejuízo”, alega a presidente do Sivana, Aida Santos Assunção.

O grupo também entregou em mãos dois ofícios do comércio local, da parte patronal e dos trabalhadores, reiterando o pedido para vetar o evento. “Não vou autorizar um evento que prejudique o comércio local. A prefeitura é apucaranense. Vocês vieram até aqui expor a situação e a prefeitura está do lado do nosso comércio. Agradeço a oportunidade de estarmos juntos e ampliar o diálogo”, argumentou Beto Preto.

continua após publicidade

Guardas municipais, policiais militares e agentes do Departamento 
de Fiscalização da Prefeitura estão no local para impedir a 
entrada de caminhões com mercadorias e ônibus - Foto: Dirceu Lopes


O pedido de alvará de funcionamento da Feira do Brás junto ao departamento de fiscalização da prefeitura reivindicava um período de oito dias para a realização do evento. No entanto, a prefeitura havia concedido a autorização por um prazo menor, de apenas três dias. O custo dos organizadores do evento para comercializar seus produtos em Apucarana foi de R$ 120,00, relativo à taxa de ISS.