Apucarana

Envolvido em acidente com morte diz que não tentou furar pedágio

Da Redação ·
O casal morava em Campinas (SP) e ia participar de um evento de motociclistas
fonte: Reprodução/Facebook
O casal morava em Campinas (SP) e ia participar de um evento de motociclistas

O motociclista Eduardo Braga, de 33 anos, envolvido em um acidente domingo  (14) na praça de pedágio na BR-369, em Jacarezinho (Norte Pioneiro do Estado), assegurou hoje à Polícia Rodoviária Federal (PRF) que não tentou passar pelo local sem pagar a tarifa. Ele fez o relato no hospital onde permanece internado. A ocorrência de trânsito foi registrada no domingo e provocou a morte da esposa de Braga, a psicóloga Gisele Particelli Alves, de 35 anos.

Ela estava na garupa da moto do marido e acabou morrendo após ter o pescoço enrolado pela corrente que protegia a lateral da praça de pedágio. Ela sofreu asfixia e fratura na coluna cervical.


O casal morava em Campinas (SP) e ia participar de um evento de motociclistas quando aconteceu o acidente. Braga explicou à polícia que em São Paulo as praças de pedágios não cobram dos motociclistas, mas o local por onde ele tentou passar com o veículo tinha não só a corrente, mas ainda cones sinalizadores, conforme salientaram patrulheiros. 

A Polícia Civil de Jacarezinho instaurou inquérito relativo ao acidente com morte. Braga ainda está internado na Santa Casa da cidade

continua após publicidade