Apucarana

Prefeitura apresenta novos veículos da saúde em carreata

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Prefeitura apresenta novos veículos da saúde em carreata
fonte:
Prefeitura apresenta novos veículos da saúde em carreata

Em carreata hoje pelos bairros e no centro, o prefeito Beto Preto (PT) apresentou ontem à população, mais oito veículos zero quilômetro, que acabam de ser adquiridos para ampliar o atendimento na área de saúde. São sete automóveis GM Classic, ao custo de R$ 32 mil cada um. Os carros serão usados por médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e outros profissionais da Autarquia Municipal de Saúde em visitas domiciliares, para acompanhamento de pacientes acamados do Programa Estratégia Saúde da Família.  

continua após publicidade

Também está sendo entregue um ônibus Volare zero quilômetro, com toalete, frigobar, ar condicionado, TV, DVD e sistema de rodoar, ao custo de R$ 320 mil reais. O veículo será destinado ao transporte de pacientes para consultas especializadas em Curitiba. O investimento total, com recursos próprios da Prefeitura, é de R$ 550 mil reais.

“Fizemos essa carreata por vários bairros da cidade e terminamos no centro da cidade, na Praça Rui Barbosa, como forma de mostrar aos cidadãos os investimentos que estão sendo feitos na saúde pública, com os recursos oriundos dos impostos”, comentou o prefeito Beto Preto.

continua após publicidade

O prefeito ressalta que em 18 meses da sua administração já foram adquiridos 48 veículos novos, incluindo dez ônibus e onze vans, totalizando R$ 4 milhões. “Deste total, recebemos nove ônibus do Governo Federal para o transporte escolar; o restante é resultado do nosso esforço em economia, justamente para viabilizar a renovação da frota”, assinala Beto Preto.

Segundo ele o novo ônibus da saúde, destinado ao transporte de pacientes, que precisam de atendimento em áreas especializadas em Curitiba, agora irá assegurar mais conforto e segurança a todos. “Em anos anteriores houve muitas reclamações das famílias que utilizavam esse serviço, devido à precariedade e riscos”, concluiu Beto Preto.