Apucarana

Suspeito confessa que ocultou corpo de Emily na 2ª fossa que é vasculhada

Da Redação ·
Emily Marque Gaspar, de 14 anos, desapareceu em meados de 2010 (Arquivo)
Emily Marque Gaspar, de 14 anos, desapareceu em meados de 2010 (Arquivo)

A Polícia Civil de Apucarana confirmou neste domingo (30) que o aposentado Valdomiro dos Santos Maia, de 73 anos, confessou o estupro seguido de assassinato de Emily Marque Gaspar, 14. Ele revelou ainda que enterrou e ocultou o corpo  da menor com entulhos na segunda fossa que é vasculhada pela polícia em imóvel na Rua Carlos Cavalncanti, em área limítrofe entre os Jardins Diamantina e Ponta Grossa, na zona norte de Apucarana. A adolescente desapareceu em meados de 2010, quando retornava da igreja para casa, situada próximo ao local vasculhado. Ontem (29) à tarde Valdomiro, que está em prisão domiciliar no município de Mauá da Serra, foi levado pela polícia até o local e indiciou o lugar onde teria supostamente ocultado o cadáver da vítima de estupro seguido de morte.

As buscas pela ossada de Emily foram suspensas no início da noite de sábado (29), depois que começou a chover. Os trabalhos deverão ser reiniciados neste domingo, se as condições climáticas forem favoráveis.

Conforme a delegada adjunta da 17ª Subdivisão Policial (SDP),  Iane Nascimento, Valdomiro foi denunciado por uma amiga de Emily. Depois que as investigações relativas ao caso foram retomadas pela delegada Iane, no final do ano passado, a moça revelou que Emily teria sido assediada pelo aposentado antes de desaparecer.

continua após publicidade

Valdomiro contou a polícia que sentia um forte impulso de desejo sexual quando se deparava com a adolescente. Seis meses depois do desaparecimento de Emily, o idoso foi preso por estupro de vulnerável, sob a acusação de abusar sexualmente de uma menina de 10 anos com problemas mentais. Ele acabou colocado em liberdade após cumprir parte da pena.

CAUTELA - O delegado chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP), José Aparecido Jacovós, acrescenta, no entanto, que as declarações de Valdomiro devem ser analisadas com cautela, pois por ele já ter sido diagnosticado com problemas mentais, a possibilidade de "estar fantasiando" em relação ao caso não está totalmente descartada.