Apucarana

Apucarana: MP encerra Paraná sem Corrupção

Da Redação ·
O promotor Eduardo Cabrini diz que o programa trata a corrupção para além das esferas políticas e que a escolha do público-alvo não é gratuita (Delair Garcia)
fonte:
O promotor Eduardo Cabrini diz que o programa trata a corrupção para além das esferas políticas e que a escolha do público-alvo não é gratuita (Delair Garcia)

O Ministério Público do Paraná e o Núcleo Regional da Educação de Apucarana encerraram ontem o programa “Paraná sem Corrupção”. O evento aconteceu no Fórum Desembargador Clotário Portugal e reuniu organizadores, autoridades do Judiciário, alunos e professores de escolas estaduais e particulares.

Encabeçado pelo MP, o programa desenvolveu atividades durante todo o ano, incluindo 60 palestras em 15 escolas estaduais. Os alunos foram convidados a fazer trabalhos em quatro categorias: cartaz, redação, poema e paródia. O promotor Eduardo Cabrini diz que o programa trata a corrupção para além das esferas políticas e que a escolha do público-alvo não é gratuita.

“Queremos fazer uma discussão sobre o ‘jeitinho brasileiro’, de furar fila, pegar um lápis e não devolver, dar propina. Eu acredito que só com educação vamos mudar isso”, declara. O coordenador do programa no Núcleo Regional, Luiz Antônio Burim, diz que a participação das escolas de Apucarana foi maciça e que o Colégio Mater Dei foi o primeiro particular a aderir, tendo a aluna Karyn Sanches, do 6° ano, premiada na categoria cartaz.

“Para mim, corrupção é pegar dinheiro que ia construir escolas, posto de saúde, e desviar para outra coisa”, afirma a aluna. Vencedora na categoria poema, Kauély Aparecida de Paulo, aluna do Colégio Estadual do Campo Professora Godomá Bevilacqua de Oliveira, acredita que a participação no programa ajuda no processo de conscientização da sociedade. “Quando ninguém fala sobre o assunto, não tem discussão”, declara. 

continua após publicidade