Apucarana

MP aciona Estado para reforçar efetivo em São João do Ivaí

Da Redação ·

A defasagem no efetivo de profissionais da segurança pública motivou uma ação civil pública em São João do Ivaí. Diante da falta de delegados, policiais civis, militares, investigadores e escrivães, a Promotoria de Justiça da comarcar ajuizou uma ação com pedido de liminar contra o Estado do Paraná requerendo profissionais e infraestrutura para os municípios que, além da sede, integram a comarca: Lunardelli e Godoy Moreira. O pedido foi impetrado pela promotora Renata Nascimento Silva, que considera a estrutura atual insuficiente para atender a demanda.

Na delegacia de São João do Ivaí, trabalham dois investigadores e um escrivão. A comarca também está sem delegado titular há 9 meses. Além dos inquéritos policiais, uma das prioridades deles, de acordo com a promotora, é cuidar da carceragem. Atualmente o setor provisório mantém 39 presos não condenados. “Os inquéritos não andam, pois os profissionais também atuam como agentes carcerários. Com isso há uma demora nas investigações e, consequentemente, uma demora na atuação judicial”, destaca a promotora.

Para o prefeito de São João do Ivaí, Fábio Hidek Miura, a ação reflete uma reivindicação antiga da população. “A cidade costumava ser pacata. Porém os crimes aumentaram em nossa região. Este ano ocorreram dois assassinatos e uma explosão ao caixa de um banco. Os moradores pedem mais segurança”, diz o prefeito.

Outro problema é destacado pela ação civil: o delegado que responde pela comarca está lotado em Marilândia do Sul, a 112 km de distância. “O delegado quase não vem aqui. Eu sei das dificuldades e das responsabilidades dele que está muito sobrecarregado, pois atua em sete municípios. Por isso queremos uma estrutura necessária e um delegado efetivo”, enfatiza o prefeito que já discutiu o assunto em reunião com a chefia da 17ª Subdivisão Policial (SDP).

OUTROS MUNICÍPIOS - A situação da Polícia Militar também é considerada precária. Ao todo, 12 policiais atuam nos três municípios. Os destacamentos de Lunardelli e Godoy Moreira contam apenas com um policial militar, cada um. O   utro problema é a ausência de policiais civis para o registro de boletins de ocorrência nesses municípios. “São João do Ivaí fica a mais de 34km. São 30 minutos de espera de viagem para registrar uma ocorrência e para o apoio as equipes em casos de crimes. Nesse tempo muita coisa pode acontecer”, enfatiza o prefeito de Godoy Moreira Primis de Oliveira. “Se a população sabe que a polícia está constantemente na rua sente mais segurança acreditando mais na justiça e os bandidos menos na impunidade”, completa.
OUTRO LADO
O delegado Ítalo Sêga, chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP), que engloba 26 municípios, não esconde que a falta de efetivo é um problema. Porém destaca que o concurso em andamento deve suprir a defasagem de profissionais deixada pelas gestões anteriores. “O ideal é que cada comarca tenha seu delegado. No entanto, temos que aguardar a resolução do concurso, capacitação e depois a nomeação dos novos delegados. A situação vai ser solucionada”, afirma o delegado.
A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná informou ontem que não vai se pronunciar sobre o caso, pois ainda não tem conhecimento do teor da ação proposta pelo Ministério Público.

continua após publicidade