Apucarana

Evangélicos fazem protesto contra o aborto e o casamento gay

Da Redação ·
Evangélicos fazem protesto contra o aborto e o casamento gay
fonte: Agências
Evangélicos fazem protesto contra o aborto e o casamento gay

SÃO PAULO, SP, 5 de junho (Folhapress) - Um dia após católicos marcharem a favor do projeto conhecido como "Estatuto do Nascituro", hoje foi a vez de os evangélicos se manifestarem em frente ao Congresso. Mais cedo, a proposta que dificultar a realização dos abortos legais foi aprovada pela Comissão de Finanças e Tributação.

Segundo a organização do evento, 70 mil pessoas se reuniram para criticar o aborto e o casamento gay, e para assistir a um show com as estrelas da música gospel. A Polícia Militar calculou a presença de 40 mil manifestantes.

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, foi tratado como "pop star", recebendo até pedido de autógrafo. "Ele virou o mimo dos evangélicos", disse o pastor Sóstenes Cavalcante, assessor do pastor Silas Malafaia, presidente da entidade que pagou a festa.

Em volta do evento, grupos que defendem a causa gay fizeram uma manifestação. A PM isolou os dois grupos e nenhum incidente foi registrado, segundo os militares. Presidência.

Diante da multidão, Feliciano disse desejar a eleição de um presidente do Brasil evangélico, arrancando palmas. "Vai chegar um tempo em que vamos ligar o rádio para ouvir, na "Voz do Brasil", um presidente da República que vai começar sua fala com "a paz do Senhor Jesus"."

Aos gritos, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que não deixará ser aprovada a descriminalização do aborto no país. "Sabe o dia em que vão aprovar isso? Olhem para mim: nunca!"

Muitas faixas carregadas pelo público defendiam Feliciano. Outras criticavam o casamento gay e o aborto. Em uma delas, lia-se: "Aborto, homossexualidade, pedofilia, adultério, prostituição, zoofilia, necrofilia, etc. Deus condena!".

continua após publicidade
confira também


Projeto

A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados hoje o projeto que pode dificultar a realização dos abortos legais. A proposta também cria uma bolsa para a mulher vítima de estupro que decidir seguir com a gravidez.

Polêmico, o texto é conhecido como "Estatuto do Nascituro" porque estabelece uma série de garantias para o bebê ainda não nascido. E define que "a natureza humana" começa na concepção e pode ter impacto no descarte e uso em pesquisas de embriões. O projeto agora segue para a Comissão de Constituição e Justiça.

Apesar de fazer uma ressalva ao artigo do Código Penal que estabelece as exceções possíveis para o aborto - estupro, risco de vida para a mãe e anencefalia -, o projeto abre a brecha para dificultar o acesso a esse direito, ao definir a garantia dos fetos à vida, argumentou o deputado Cláudio Puty (PT-PA). A bancada do PT votou de forma contrária ao texto.

O movimento de mulheres tem opinião parecida. "Hoje o aborto legal já é dificultado por resistência de profissionais de saúde. Seguramente a resistência será maior [com a eventual lei], além de ter quem processe as mulheres", diz Nina Madsen, assessora do Cfemea (Centro Feminista de Estudos e Assessoria).

O relator do projeto, o deputado evangélico Eduardo Cunha (PMDB-RJ), garantiu que a proposta não tem esse objetivo, mas o de resguardar a vítima de violência sexual que quiser ter o filho. Isso porque determina que o Estado dê apoio financeiro à mulher que, nessa situação, mantiver a gestação.