Apucarana

Justiça condena assaltante que atirou no dono da JL

Da Redação ·

A Justiça de Apucarana condenou ontem a 26 anos de prisão Cláudio Fagner Pedroso, também conhecido como Baby. O réu é autor confesso da tentativa de latrocínio contra João Luiz Zaghini, proprietário da empresa JL Informática. O empresário ficou tetraplégico durante um assalto em 15 de junho de 2009. O caso ganhou grande repercussão.

Além do crime contra o empresário, Pedroso também participou, à época, de outros dois assaltos em lojas especializadas em equipamentos de informática pelos quais também foi sentenciado. Os assaltos iniciaram pela Infohard, em 29 de maio de 2009. No mês seguinte, o alvo foi a Loja Filadélfia.

Pedroso foi identificado como autor dos disparos contra o empresário logo no início das investigações – o crime foi registrado pelo circuito interno de câmeras da empresa –, mas estava foragido até o ano passado. Segundo informações obtidas junto à 2ª Vara Criminal, Pedroso foi preso há pouco mais de 8 meses no Paraguai. Ontem não foi possível obter a informação sobre em qual unidade prisional Pedroso está detido.

No processo, entretanto, ele assumiu ter sido o autor do disparo que alvejou o empresário. Na sentença, o juiz José Roberto Silvério condenou o réu pelos crimes de roubo com vários agravantes e tentativa de latrocínio a 26 anos, 4 meses e 6 dias de reclusão.

O CRIME - Pedroso e um comparsa invadiram a JL Informática, por volta das 17h50, no dia 15 de julho, no centro de Apucarana. Eles renderam funcionários. Durante o assalto, o empresário, já dominado e sentado no chão, pediu calma a Cardoso, que acertou um tiro na nuca de Zaghini. O empresário não morreu, mas ficou tetraplégico. O caso foi o estopim para uma ampla campanha da comunidade pedindo mais segurança. Um manifesto foi encaminhado ao secretário de segurança da época Luiz Fernando Delazari.

continua após publicidade