Apucarana

Mulher de 22 anos é morta durante suposto latrocínio em Apucarana

Da Redação ·
Mulher de 22 anos é morta durante latrocínio em Apucarana
fonte: Reprodução/facebook
Mulher de 22 anos é morta durante latrocínio em Apucarana

Mais um crime bábaro foi registrado em Apucarana na madrugada desta quinta-feira (9). De acordo com o soldado Janir Peçanha, da Central de Operações Policiais Militares (Copom) do 10º Batalhão da Polícia Militar (Copom), Jéssica Carline Ananias da Costa, de 22 anos, foi morta a facadas supostamente por ladrões durante roubo à residência nº 143 da Rua Nossa Senhora da Conceição, no bairro Igrejinha (Jardim Presidente Kennedy), na zona sul da cidade.

continua após publicidade


Conforme o soldado da PM, dois assaltantes invadiram a casa, trancaram a família no banheiro e exigiram que lhes fosse entregue dinheiro, pois a família viajaria para o Paraguai nesta quinta-feira com a finalidade de fazer compras. "Provavelmente os bandidos tinham essa informação e ainda não sabemos direito se a Jéssica teria reagido ou se assustado e gritado, mas o fato é que os criminosos a mataram friamente com golpes de faca. O marido dela, Bruno José da Costa, de 26 anos, foi amarrado e ferido nas mãos e precisou ser hospitalizado" relatou Peçanha.

continua após publicidade
confira também

Após assassinar a apucaranense e ferir o marido dela, os bandidos fugiram com o dinheiro e o carro da família: um Fiat Palio prata placas HIK-1194 (Apucarana). Toda a polícia de Apucarana e a Guarda Municipal (GM) estão mobilizados para localizar e prender os assaltantes. A polícia ainda não soube informar se os ladrões levaram dinheiro e objetos da casa.

O corpo de Jéssica foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia. Segundo a polícia, ela era sobrinha do vereador Antônio Ananias (PSDB). Com esse latrocínio (roubo seguido de morte), Apucarana já contabiliza neste ano o número de 13 pessoas assassinadas. Policiais civis foram até a casa das vítimas para realizar levantamento em local de crime.

"Isso é um absurdo e não queremos que acoteça isso com mais ninguém. A polícia chegou rápido no local do crime, maso bandidos ainda não foram localizados. Por quê tanta violência?", indagou o vereador Antônio Ananias, ao falar sobre o assassinato da sobrinha.