Apucarana

Bebê adotado irregularmente pela internet é devolvido ao pai

Da Redação ·
Segundo o delegado, o homem estava trabalhando como operador de máquinas em uma cidade do Mato Grosso quando o filho nasceu
fonte: Delair Garcia
Segundo o delegado, o homem estava trabalhando como operador de máquinas em uma cidade do Mato Grosso quando o filho nasceu

Uma mulher que até o momento teve apenas o primeiro nome divulgado (Suely), residente em São Pedro do Ivaí, foi denunciada pelo próprio marido após suspostamente doar o filho recém nascido, após por R$ 300 reais para comprar roupar para o bebê. 

O homem relatou que estava trabalhando no Estado do Mato grosso e deixou a esposa grávida em São Pedro do Ivaí, mas quando voltou para ver o filho, ela não estava com a criança. O menino teria nascido no dia 3 de novembro, em São Pedro do Ivaí, e a mulher efetuou a doação no dia 7 de novembro, em Jandaia do Sul.

A mulher que fez a adoção seria uma mulher de Gloria de Dourados (MS), que conheceu a mãe do bebê pelo facebook. 

Segundo o delegado de Jandaia do Sul, Italo Sêga, que investiga o caso, o homem estava trabalhando como operador de máquinas em uma cidade do Mato Grosso quando o filho nasceu, no dia 3 de novembro.

continua após publicidade

O CASO
No último dia 10, o pai voltou para poder conhecer o menino. Para sua surpresa, a mãe revelou que havia doado a criança para uma mulher que conheceu na internet. Ele entrou em contato com o Conselho Tutelar e com a Polícia Civil, que passaram a investigar o caso. O delegado explicou que após diversas informações conseguiram chegar ao paradeiro da mulher que tinha recebido a criança, em Glória de Dourados (MS).

continua após publicidade

Sêga explicou que não houve negociação envolvendo dinheiro entre elas.

"A mulher fez um anúncio na internet de que queria adotar uma criança e deixou o contato. A mãe então viu, ligou e elas acertaram a doação. A mulher saiu do MS, veio até Jandaia do Sul e voltou para casa com o menino".

Na quarta-feira (21), os policiais se deslocaram até Glória de Dourados para buscar o recém-nascido. O delegado contou que a falsa mãe simulou uma segunda gravidez para enganar a família após sofrer um aborto.

continua após publicidade

"Ela enganou a própria família falando que o menino era filho biológico dela. A família da mulher colaborou com a situação e inclusive acompanhou a criança no trajeto de volta ao Paraná".



Leia mais na edição de sexta-feira (23) da Tribuna do Norte - Diário do Paraná