Apucarana

Série de furtos desafia a polícia de Apucarana

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Série de furtos desafia a polícia de Apucarana
Série de furtos desafia a polícia de Apucarana

Série de furtos desafia a polícia de Apucarana



Mesmo com o mau tempo, o registro de uma série de furtos em residências, construção de casa e em estabelecimento comercial, nas últimas 24 horas em Apucarana, exigiu mobilização redobrada da polícia na cidade.


De acordo com a Polícia Militar (PM),  no perído ocorreram três arrombamentos seguidos de furtos em residências, um furto em loja de móveis e abertura de buraco feito porladrões em parede de escritório situado na Avenida Minas Gerais, no Jardim Apucarana (área Norte dacidade), de onde os arrombadores nada levaram.

A PM relatou ainda que foi arrombada uma porta da loja Poliana Móveis, situada Rua Rio Tibagi, no Núcleo João Paulo (região oeste de Apucarana). Do estabelecimento comercial foi furtado um computado completo (CPU, monitor e teclado) e um notebook.

Policiais militares acrescentaram que os arrombadores agiram também em casas localizadas na Rua Conceição dos Santos Silva, no Jardim Araucária (região norte da cidade), à Rua Nelsa Xavier Maia, no Residencial Parque da Raposa (área nordeste) e Rua Ibate, no Jardim Alvorada (setor norte de Apucarana).


Da moradia em construção no Jardim Araucária foram furtadas uma porta de madeira com fechadura e uma torneira
de pia. Das outras residências alvos dos arrombadores foram levados diversos eletrodomésticos, roupas e calçados.


Droga - O delegado-chefe da 17ª Subdivisão Policial (SDP), Valdir Abrahão da Silva, supõe que a maioria desses furtos tenha a droga como "pano de fundo Saúde.

"Muitos dos nossos jovens estão furtando e até roubando para sustentar o vício, principalmente em crack, que hoje pode ser considerado uma problema de Saúde Pública, uma verdadeira praga social. Mas a polícia está atenta e já identificou alguns suspeitos de autoria desses arrombamentos e devemos responsabilizá-los penalmente pelos delitos nos próximos dias, pois eles não foram presos em flagrante", explicou Abrahão.

continua após publicidade