Apucarana

Portal UOL destaca projeto Viva Araucária/Apucarana

Da Redação ·
 Portal UOL destaca projeto Viva Araucária/Apucarana
fonte: Divulgação
Portal UOL destaca projeto Viva Araucária/Apucarana

O município de Apucarana (370 km de Curitiba), no norte do Paraná, criou um programa que vai pagar ao produtor rural por árvore que ele plantar em sua propriedade.

continua após publicidade

A árvore escolhida para o projeto é o pinheiro araucária, símbolo do Paraná, que hoje tem menos de 1% de sua cobertura original ainda de pé no Estado, devido ao desmatamento que a espécie sofreu ao longo do século passado.

continua após publicidade

Em entrevista ao UOL Notícias, o secretário municipal do Meio Ambiente, João Batista Beltrame, disse que o município se dispõe a pagar R$ 5 por árvore plantada ao ano em áreas de preservação obrigatória dentro do imóvel, como reserva legal, nascentes de água e mata ciliar. "Temos que buscar alternativas sustentáveis e fazer dos produtores os nossos parceiros", afirmou Beltrame. A iniciativa foi aprovada por unanimidade pela Câmara de Vereadores e vai ser colocada em prática em outubro, depois de homologada e regulamentada pelo município.

continua após publicidade

Desde o início do ano passado, Apucarana já tinha uma ação oficial para reconhecer os donos de imóveis que protegem as nascentes de água em suas propriedades. O projeto Oásis conserva mais de 230 fontes de água no município, formado por nascentes e cursos da água que ajudam a alimentar cidades maiores da região norte e noroeste do Estado.

Os valores pagos para a preservação das fontes podem variar entre R$ 70 a R$ 560 mensais dependendo do tamanho e da importância estratégica da nascente. Tanto no projeto já em prática quanto na proposta de pagar por árvore plantada, o produtor rural precisa se cadastrar na prefeitura para que sua inclusão nas iniciativas de preservação seja aprovada.

continua após publicidade

A documentação sobre a manutenção de áreas verdes é esmiuçada, assim como a visita in loco na propriedade de uma comissão de técnicos da secretaria para conferir se o imóvel segue as leis ambientais.

O departamento jurídico da prefeitura também analisa a legalidade de participação no programa até que a Secretaria da Fazenda autorize o pagamento em dinheiro ao dono da área.