2022

Flávia Francischini quer resgatar eleitorado do marido; veja

Vereadora de Curitiba assumiu lugar do marido Fernando Francischini, cassado após decisão do STF, na disputa pela Alep

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Flávia Franschini quer defender as bandeiras da segurança e também dos deficientes físicos
fonte: TNOnline
Flávia Franschini quer defender as bandeiras da segurança e também dos deficientes físicos

Pré-candidata a uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), a vereadora Flávia Francischini (União Brasil), de Curitiba, percorreu nesta semana 28 municípios do interior do Paraná para conversar com lideranças políticas. Ela afirma que o objetivo é resgatar nesta disputa os eleitores do marido, o ex-deputado estadual Fernando Francischini (União Brasil), que foi cassado após decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mantida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e está inelegível por divulgar notícias falsas contra o sistema eletrônico de votação. Veja a entrevista abaixo. 

continua após publicidade

“Estou fazendo um trabalho para resgatar os eleitores do meu marido Fernando Francischini, que não era um deputado qualquer. Ele foi eleito com 427 mil votos e foi injustamente cassado. O STF precisava colocar um cabresto em alguém. Na verdade, queria atacar o Bolsonaro (presidente Jair Bolsonaro) e, assim, mirou Fernando Francischini, que era o deputado do Bolsonaro”, disse a vereadora, que esteve nesta quarta-feira (27)  em Apucarana e foi entrevistada pelo TNOnline.  

Flávia afirma que sempre atuou nos bastidores das campanhas do marido, mas precisou assumir o lugar dele por conta da cassação. “Estou vindo no lugar do Fernando Francischini e estou sendo muito abraçada. Ninguém virou as costas”, assinala.

continua após publicidade

Ex-agente da Polícia Federal (PF), assim como o marido, ela pretender dar sequências às bandeiras na área da segurança pública e também defender seus projetos, com destaque na área social e em apoio aos deficientes. “Tenho um filho autista e sempre levarei essa bandeira”, assinala.

Ela também destaca o papel das mulheres na política. O União Brasil (fusão do PSL e DEM), partido da vereadora, chegou a ser condenado no Paraná por suposta fraude nas cotas de gênero. Flávia afirma que o problema foi causado por um partido coligado em 2018. 

"Nós (mulheres) somos 51% do eleitorado, brasileiro, mas 21% dos representantes na política. Por isso, precisamos mostrar que a mulher pode ser dona de casa, empresária e professora, mas também representante na Câmara dos Vereadores, Assembleia Legislativa e no Congresso. A gente tem esse poder”, afirma. Assista:     null - Vídeo por: Reprodução   

continua após publicidade



GoogleNews

Siga o TNOnline no Google News