Fluídos Positivos

A magia do Natal, brilho perpétuo que nunca se apaga

Da Redação ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline
Imagem ilustrativa da notícia A magia do Natal, brilho perpétuo que nunca se apaga
fonte: Pixabay

A cada fim de ano, voltamos a ver o mundo com olhos infantis. Tudo ao nosso redor parece ser tocado pela varinha mágica do encantamento. As casas, as lojas e as cidades se vestem de brilho colorido para a chegada da grande noite, saudando a bem-aventurança.

continua após publicidade

Todo esse glamour e encantamento é assim desde os tempos longínquos, quando comunidades inteiras cantavam e dançavam em torno das fogueiras, na esperança de renovarem os laços afetivos e o reabastecimento das esperanças das forças invisíveis.

Os povos pagãos acreditavam que os enfeites natalinos atraiam para dentro das suas casas os espíritos das florestas e as fadas. Assim, eles estavam protegidos contra qualquer infortúnio.

continua após publicidade

Com o passar dos tempos, essa crença se reflete no brilho perpétuo dos sonhos coloridos e na esperança que carregamos em nosso coração para recebermos "Aquele" que deixou suas pegadas na Terra e o maior legado para a humanidade.

Então, a onipresença das velas coloridas, dos adornos natalinos, em especial as flores coloridas espalhadas pela casa em cachepôs adornadas por fitas e enfeites, expressam os ritos natalinos. Um dos destaques, inclusive, é a flor do espírito santo, originária do México, que marca o início do Natal. Suas pétalas de um vermelho intenso simbolizam o vermelho do sangue, do sofrimento e do sacrifício, e também da esperança e da fé.

Enfim, todas as simbologias que nos cercam nesta data fazem reluzir e representar que somente a fortuna espiritual e afetiva é o marco da nossa caminhada neste planeta de prova e expiação, uma lição ensinada pelos grandes mestres, em especial por aquele que nasceu em uma simples manjedoura e até seus trinta e três anos na terra nos deixou vários ensinamentos.

continua após publicidade

Esses ensinamentos são as verdadeiras joias que devemos praticar todos os dias do ano, mesmo que, às vezes seja difícil, pois estamos tão alicerçados nos vícios mundanos, que não percebemos a areia movediça nos sugando. 

É claro que esperamos essa data com novas esperanças, com festas, trocas de presentes e ceias, sendo tradições que passam de geração a geração. Mas que esse brilho perpétuo que influencia a humanidade não seja um eterno materialismo regado pelo consumismo.

Lembremos de alguns sinais grafados na Bíblia Sagrada: em Mateus 6:20, vemos que jamais devemos acumular tesouros na terra... ; em Lucas 12:21 se alerta para ‘aquele que guarda para si riquezas, mas não é rico para Deus’, dentre tantos outros sinais que "Ele" nos mostrou e continua nos mostrando. 

continua após publicidade

Porém, se continuarmos na cegueira materialista do ter e do poder, nossa chama espiritual irá se apagar e nossa jornada não terá fim.

Essas são as grandes reflexões que devemos fazer sempre, é claro: não esquecendo do brilho perpétuo do Natal, pois logo após os ritos natalinos vem a chegada de mais um ano de esperança..