Claquete

Capitão Fantástico

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Capitão Fantástico
Capitão Fantástico
Capitão Fantástico fonte: Reprodução

Somos todos atores de um grande palco chamado sociedade. Nele, ocupamos nossos respectivos papéis e deveres. É claro que, com o passar dos anos, cada uma de nossas funções se tornaram extremamente necessárias para o bem comum.  Mas depois de tanto tempo, imersos dentro de nossas máscaras, contracenando toda esta ficção, acabamos nos perdendo de nossa verdadeira natureza.

continua após publicidade

E o pior é que, quanto maior for este espetáculo, mais difícil será para recuperarmos nossa verdadeira essência. Talvez passemos tempo demais olhando nossas redes sociais e tempo de menos olhando a vida. Desde quando a tela do smartphone se tornou mais chamativa do que vista lá de fora? Estamos todos à deriva neste imenso mar de superficialidades.

Estou tão perdido quanto vocês. Assumir o timão de sua realidade e ser o capitão de sua própria navegação é algo que está além do horizonte visível. Por isso, quem consegue ver o mundo real, por de traz se suas cortinas, pode ser considerado um ser quase que fantástico.

continua após publicidade

Este é o Capitão Fantástico.

Capitão Fantástico fonte: Reprodução

Em meio à floresta, durante anos, Ben e Lily Cash criaram seus seis filhos. Vivendo totalmente afastados de qualquer tipo de civilização, eles ensinaram às crianças não apenas as lições passadas pela escola, mas também noções de sobrevivência na floresta, como a se alimentarem e a serem independentes.

Elas escalam, leem obras clássicas, caçam, debatem questões filosóficas, praticam exercícios e, o mais importante, são sempre sinceros uns com os outros. Certo dia, devido a uma doença, Lily acaba falecendo, obrigando sua família a deixar seu completo isolamento de lado. Todos eles precisam voltar para o “mundo real”.

continua após publicidade

O reencontro com a família da cidade trará velhos conflitos à tona. Toda a culpa pela morte da esposa cairá nas costas de Ben. Seu sogro quer tirar seus filhos de sua guarda. Mas ele fará de tudo para que isso não aconteça. Afinal, ele é o Capitão Fantástico.

Capitão Fantástico fonte: Reprodução


Dirigido e escrito por Matt Ross, 'Capitão Fantástico' é comédia-dramática americana de 2016. Sua estreia foi no Festival de Cinema de Sundance do mesmo ano, onde foi muito bem recebido. O filme levou o prêmio de Melhor Diretor do Festival de Cannes e ainda concorreu ao Oscar, na categoria de Melhor Ator, com Viggo Mortensen.

Seu elenco conta com Viggo Mortensen, como Ben Cash, George Mackay, como Bodevan "Bo" Cash, Samantha Isler, como Kielyr Cash, Annalise Basso, como Vespyr Cash, Nicholas Hamilton, como Rellian Cash, Charlie Shotwell, como Nai Cash, Trin Miller, como Lily Cash, e Frank Langella, como Jack.

Ninguém passa por Capitão Fantástico sem pensar um pouco sobre como vivemos nossas vidas. Sem se perguntar se existe um outro caminho para seguir. O filme é muito profundo, filosófico e, ouso dizer, desafiador. Ele vai totalmente contra o status quo. É impossível passar por ele sem se questionar, mesmo que baixinho “e se?”.

Com uma ótima fotografia, marcante trilha sonora, linda direção de arte e um roteiro original memorável, não é atoa que Capitão Fantástico foi um dos melhores filmes de 2016. Assisti-lo é mais do que uma diversão cinematográfica, é sentir-se desafiado a pensar, nem que seja por alguns segundos, diferente. Lindo de se ver, ele já nasceu clássico.

“Viva cada dia como se fosse o último. Saboreie-o. Seja aventureiro, ousado, mas aprecie. Passa rápido”.

 

Capitão Fantástico fonte: Reprodução