Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Operador de retroescavadeira sofre acidente de trabalho em Astorga

Loading...

NESTA MANHÃ

Operador de retroescavadeira sofre acidente de trabalho em Astorga

Um homem ficou ferido após sofrer um acidente de trabalho na manhã desta quinta-feira (20) em Astorga. O funcionário que prestava serviços para a prefeitura municipal teve fratura exposta ao ser atingido pela pá carregadeira de uma retroescavadeira.

O acidente foi registrado por volta das 08h30, quando a vítima deu entrada no Hospital Cristo Rei em Astorga. No local, os socorristas prestaram os primeiros atendimento à vítima que posteriormente foi transferida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Metropolitano de Sarandi.

De acordo com Samu de Maringá, que atendeu a ocorrência, o trabalhador foi encaminhado consciente e orientado com fratura exposta no braço e laceração de aproximadamente 10 centímetros. Apesar dos ferimentos, sua situação é considerada estável.

Número de acidentes de trabalho cresce 12% em três anos na região
A morte do caminhoneiro Anselmo Barros Agostinho, de 33 anos, na primeira quinzena de abril, enquanto carregava o caminhão numa empresa de alimentos, de Faxinal, chamou a atenção para um perigo corriqueiro na vida do trabalhador, o risco de acidente no ambiente de trabalho. 

Nos últimos três anos, a 16ª Regional de Saúde (RS), de Apucarana, registrou 821 casos de acidentes de trabalho. O levantamento revela um crescimento contínuo de acidentes de trabalho neste período. De 2014 para 2016, os números revelam um avanço de 12%, passando de 256 registros para 287. 

Segundo dados da Previdência Social, o Brasil registra uma média superior a 700 mil acidentes de trabalho por ano, desde de 2010. De acordo com o levantamento, em 2014, foram 704 mil acidentes de trabalho, sendo 2.783 casos fatais, e 251,5 mil que resultaram em afastamentos por período superior a quinze dias. 

De acordo com o último boletim da Previdência Social, publicado em 2014, que traz dados de 2004 a 2013, revela que as principais causas de afastamento por acidente de trabalho são fraturas de dedos, punho e mão, perna inclusive tornozelo, clavícula e amputação traumática de dedos. Também aparecem entorse e distensão do tornozelo, lesões de ombro, entre outras.

Na região, no último ano, dos 287 trabalhadores que sofreram algum tipo de acidente, 208 ficaram com alguma incapacidade temporária, 5 com incapacidade parcial permanente e 1 com incapacidade total permanente para o trabalho, e dois morreram durante o exercício da profissão. Em 2015, o número de óbitos foi o mesmo, 2.  

(Colaboração - Vanuza Borges/Tribuna do Norte)

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias