Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de Carina Teixeira

Loading...

IVAIPORÃ

Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de Carina Teixeira

Polícia Civil faz reconstituição do assassinato de Carina Teixeira.

Depois de confessar que matou a ex-mulher Carina Teixeira, 29 anos, Miraldo Morais Pedreira, 33 anos, participou na manhã de sexta (30), da reconstituição do crime. A ação foi comandada pela Polícia Civil de Ivaiporã e do advogado de defesa de Miraldo, que refizeram o trajeto dele no dia do assassinato. Do início ao fim da reconstituição, o assassino não demonstrou nenhuma emoção e não esboçou qualquer palavra que demonstrasse arrependimento.

A reconstituição começou na Avenida São Paulo, em frente CMEI Paulo Freire, onde Miraldo abordou a vítima no dia 25 de agosto. Ele relatou aos policiais que depois que a mulher foi deixar o filho no CMEI do outro lado da rua, ele se aproveitou para entrar no carro e sentou no banco de trás. Após isso, ele convenceu a ex-mulher, a dirigir até o sítio na localidade de Cinco Encruzo, pois lá, entregaria para a vítima outro carro.

Durante a reconstituição no sítio., Miraldo reafirmou que não tinha intenção de matar e queria apenas conversar com a ex-mulher. “A hora que ela começou a gritar, o sangue subiu pela a cabeça e eu não vi mais nada. A Carina foi me empurrando e eu empurrando ela, até chegar perto da fossa. Foi quando eu caí e fiquei mais estressado. Levantei e não estava vendo mais nada, foi quando eu empurrei ela para dentro da fossa”, alegou Miraldo.

Após a reconstituição no sítio a polícia foi para a Rua Marginal, em Jardim Alegre, onde o Miraldo abandonou o carro de Carina e foi visto por uma testemunha. Eles também estiveram no local onde o agressor contratou um mototaxista que o levou até a entrada de Ivaiporã. 

Fatos
Para o delegado Gustavo Dante, a reconstituição serviu para dirimir algumas dúvidas e contrapor a versão apresentada por Miraldo, principalmente a forma como a ex-mulher foi morta, já que o laudo do IML é inconclusivo. O corpo de Carina foi encontrado 17 dias depois do crime, em avançado estado de decomposição. “Ele afirma que jogou ela viva dentro da fossa, mas está nos autos que quando o cadáver foi encontrado, ele estava envolto em um colchão de espuma. Até mesmo a forma como ele diz que arrastou a Carina do carro até a fossa é contraditória”, disse Dante. O delegado também não acredita que na abordagem de Miraldo a Carina que ocorreu em frente ao CMEI, tenha sido pacífica. “A perícia encontrou uma grande quantidade de cabelos da Carina no carro. Nós acreditamos que a agressão iniciou no interior do veículo. Posteriormente essa agressão se arrastou e ele possivelmente já teria matado, quanto atirou a Carina na fossa”, comenta Dante. 

O advogado Marcello César Pereira Filho diz que a reconstituição é importante, pois fornece detalhes para ambas as partes. “É uma prova que sempre que possível deve ser realizada. Ficou claro que houve uma discussão e o final todo mundo sabe. Infelizmente tinha um poço perto onde houve essa discussão e foi onde ele acabou empurrando a ex-esposa. Se tivesse uma tampa mais resistente, talvez então ela não tivesse caído lá embaixo”, completou Pereira Filho.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias