Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temer quer reconquistar mercado, acelerar reformas e manter PSDB

Loading...

POLíTICA

Temer quer reconquistar mercado, acelerar reformas e manter PSDB

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao barrar a denúncia de corrupção passiva feita contra ele, o presidente Michel Temer pretende reconquistar o apoio do mercado financeiro, fortalecer sua base de apoio para acelerar reformas e manter o PSDB ao seu lado.

Temer se reunirá na semana que vem com líderes governistas no Congresso para montar um cronograma de votação e discutir que mudanças na reforma da Previdência são possíveis de ser aprovadas no curto prazo.

A estratégia é enviar até o final de agosto o texto da reforma tributária, que tem menos resistência na Câmara e no Senado, e, na sequência, em setembro, colocar em votação a previdenciária. A meta é finalizá-las em outubro.

O peemedebista está estruturando ainda uma agenda de encontros com empresários e investidores para vender a imagem de que ainda tem força política para cumprir a promessa de realizar as reformas.

O presidente quer aproveitar o que o Planalto chama de "onda positiva" com a derrota da denúncia da Procuradoria-Geral da República.

O entorno do peemedebista reconhece, no entanto, que o otimismo pode arrefecer com o impacto de uma nova acusação do procurador-geral, Rodrigo Janot, até o fim de agosto por obstrução de Justiça -sem falar na possibilidade de que duas delações em negociação, de Lúcio Funaro e Eduardo Cunham, possam atingir o presidente.

A estratégia, por ora, é usar o clima político favorável, apesar dos fatores que podem prejudicar a agenda do governo.

Temer assistiu à votação da Câmara no gabinete presidencial acompanhado dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Ao longo do dia, recebeu 21 deputados governistas e oposicionistas e avaliou demandas apresentadas de última hora por parlamentares indecisos.

Escalado para fazer as negociações em plenário, o ministro Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), que se licenciou temporariamente para reassumir o mandato na Câmara, manteve contato frequente com Temer.

Além de focar num calendário de votações, Temer cobrará fidelidade dos partidos governistas, além de discutir possíveis retaliações a deputados infiéis, exonerando indicados deles em cargos de segundo e terceiro escalões.

As trocas serão baseadas no placar da denúncia e feitas pela postura individual de cada parlamentar, não pelo posicionamento partidário. Os primeiros que devem ser chamados são do PSDB, PSB e PP.

O peemedebista quer manter, pelo menos por enquanto, a configuração atual de seu ministério, com a permanência de ministros do PSDB e PSB.

Em conversas reservadas, tem dito que a fidelidade dos ministros, que reassumiram mandatos parlamentares para votar contra a denúncia, será recompensada.

Com o remanejamento de cargos, o presidente tenta recompor a base aliada, que saiu da crise política menor. Pelos cálculos do Palácio do Planalto, o total de parlamentares governistas caiu de 411 para 370, o que coloca em risco a aprovação de medidas de interesse do governo.

Nos encontros na próxima semana, o presidente pretende ainda condicionar a continuidade do PSDB no governo ao apoio dele às reformas previdenciária e tributária, que devem se retomadas a partir do final deste mês.

Em esforço para reverter a baixa popularidade, que atingiu 5% segundo o Ibope, o presidente também quer retomar agenda de viagens pelo país para defender suas realizações à frente do Palácio do Planalto.

Nas palavras de um assessor presidencial, a ideia é vender a imagem de que Temer deixou de ser um "reformista" para se transformar no "presidente da travessia" e que entregará o país com taxas de crescimento a seu sucessor em 2018.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias