Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Comissão no Senado aprova indicação de Dodge à PGR por unanimidade

Loading...

POLíTICA

ATUALIZADA - Comissão no Senado aprova indicação de Dodge à PGR por unanimidade

REYNALDO TUROLLO JR. E TALITA FERNANDES

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou por unanimidade nesta quarta (12) a indicação da subprocuradora-geral da República Raquel Dodge para suceder Rodrigo Janot no comando da PGR (Procuradoria-Geral da República) a partir de setembro.

Os 27 senadores da comissão votaram a favor da indicação, após cerca de oito horas de sabatina. Antes de ser nomeada procuradora-geral, Dodge ainda precisa ser aprovada pelo plenário da Casa, que votará ainda nesta quarta. Se confirmada, ela comandará o Ministério Público pelos próximos dois anos.

Aos 55 anos, quase 30 deles no Ministério Público Federal, Dodge é natural de Morrinhos (GO), tem experiência na área criminal, estudou na UnB e é mestre em direito pela Universidade Harvard (EUA).

A sabatina no Senado transcorreu em clima ameno, diferente de agosto de 2015, quando Janot foi sabatinado e reconduzido à PGR num clima de tensão, dias depois de ter apresentado as primeiras denúncias de parlamentares na Lava Jato. A indicada falou de buscar um "caminho do entendimento" e prometeu atuar com "serenidade" e respeito aos direitos dos investigados, como o do princípio da presunção da inocência.

Nesse contexto, por exemplo, ela defendeu um controle maior sobre a divulgação de informações sigilosas durante as investigações, para não manchar os nomes dos suspeitos antes de uma eventual condenação.

"É cada vez mais necessário que a atuação do Ministério Público, de partida, seja calcada em provas mais coerentes em face de todo os fatos que são imputados para que a dúvida não desonre a dignidade da pessoa enquanto não haja condenação", disse.

Várias manifestações de Dodge foram vistas como contrapontos à atuação de Janot -a quem ela faz oposição na instituição. Em meio à Lava Jato, a relação de Janot com políticos investigados tornou-se tensa.

Nem mesmo os senadores de oposição insistiram em questionar Dodge sobre sua indicação pelo presidente Michel Temer, pelo fato de ela ter sido a segunda colocada na lista tríplice resultante de eleição entre os membros do Ministério Público Federal. Desde 2003, sob o governo Lula, os presidentes da República vinham indicando o primeiro nome da lista tríplice.

"Qualquer um dos três que figure na lista passou por rigoroso e severo critério dos procuradores da República", disse Dodge no início da sabatina, após ponderar que a lista tríplice não é uma obrigação, mas uma "sugestão" da categoria com o objetivo de orientar o presidente.

Assistiram à sabatina os ex-procuradores-gerais da República Roberto Gurgel e Aristides Junqueira. Em 2015, vários procuradores da Lava Jato foram ao Senado para apoiar Janot. Naquela ocasião, havia uma expectativa de que ele sofresse ataques do senador Fernando Collor (PTC-AL), que o chamou de "catedrático em vazar informações" e sussurrou ofensas. Janot havia denunciado Collor uma semana antes de sua sabatina.

Logo de início, Dodge respondeu a perguntas do relator de sua indicação na CCJ, Roberto Rocha (PSB-MA), sobre temas espinhosos, como importância das delações premiadas, concessão de imunidade penal a delatores -alvo de críticas no caso JBS- e supostos abusos da Operação Lava Jato.

Ao longo da sessão, porém, as polêmicas perderam fôlego e deram lugares a elogios a Dodge -lembrada diversas vezes como a primeira mulher indicada à PGR, como a responsável pela Operação Caixa de Pandora, no Distrito Federal, em 2009, e como uma das responsáveis pela condenação do ex-deputado acriano Hildebrando Pascoal, na década de 1990.

POSIÇÕES

Dodge prometeu priorizar o combate à corrupção, disse que poderá reforçar as equipes que já trabalham nessa área e também se mostrou favorável a pautas caras aos parlamentares, como a edição de uma nova lei para coibir abusos de autoridade.

"A lei de abuso de autoridade vem no socorro da ideia de que, no regime democrático, freios e contrapesos são necessários, controles são necessários, inclusive sobre os órgãos de administração de Justiça", afirmou.

"Ninguém está imune a excessos, nenhuma instituição é imune a erros. E nessa perspectiva de que seja dada ampla autonomia para o exercício da função jurisdicional por juízes e membros do Ministério Público, mas contidos os excessos, é que vejo a importância de se aprovar uma lei que controle o abuso de autoridade", disse.

Há um projeto sobre abuso de autoridade em tramitação no Congresso que foi duramente criticado por Janot, que viu nele uma forma de intimidar membros do Ministério Público e do Judiciário. Dodge não comentou o projeto específico, mas sua fala foi vista como um aceno aos parlamentares e uma abertura ao diálogo maior que a de Janot.

Questionada por Rocha sobre um suposto "Estado policial" criado pela Lava Jato, a indicada à PGR disse que o limite da atuação do Ministério Público é a lei, e que é comum o órgão revisar provas que ele próprio obteve, no curso das ações penais, caso detecte alguma ilegalidade.

"O grande compromisso do Ministério Público é agir sempre pautado na prova colhida de forma idônea e é preciso que zelemos sempre por esses princípios que são muito caros ao Estado democrático", disse.

"Devo dizer que não é incomum que um órgão do Ministério Público aponte a uma certa altura da ação penal que a prova é inidônea, que a prova é inválida. Esse é um dever que o Ministério Público tem, que é apresentar em juízo uma acusação sempre amparada na prova. Se há excessos, é o que deve ser sempre controlado, e o principal órgão de controle é o Judiciário."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias