Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Pressão por desembarque cresce, diz Tasso

Loading...

POLíTICA

ATUALIZADA - Pressão por desembarque cresce, diz Tasso

TALITA FERNANDES

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), disse nesta quarta-feira (5) que é crescente o movimento de "desembarque" da sigla do governo de Michel Temer. "A posição do partido é cada vez mais clara. Não dá para controlar, as coisas vão acontecendo".

Para o tucano, um dos principais defensores de que o PSDB deixe ministérios e demais cargos na gestão Temer, a tendência de saída do governo é crescente. "O posicionamento é por desembarque, não de oposição ao governo", afirmou.

Tasso citou como exemplo dessa "movimentação crescente" a análise da denúncia contra Temer na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. Ele diz que o PSDB não controla a forma como os deputados do partido vão se posicionar sobre o caso. "A grande maioria já está se posicionando".

Pela contagem dos tucanos, entre 5 ou 6 deputados do partido devem votar a favor do recebimento da denúncia contra Temer na CCJ, e apenas um ou dois tendem a votar contra.

O STF (Supremo Tribunal Federal) só poderá analisar a denúncia apresentada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra Temer, que o acusa de ter cometido crime de corrupção passiva, se houver uma autorização prévia da Câmara dos Deputados. O caso será analisado pela CCJ da Casa e, posteriormente, pelo plenário, onde são necessários 342 votos para que o processo tenha sequência.

De acordo com senadores do PSDB ouvidos pela Folha, a bancada do partido no Senado também já tem uma maioria pró-desembarque. Esse movimento foi notado em reunião na terça (4), dia em que o senador Aécio Neves (MG) retomou o mandato no Senado, após 46 dias afastado por determinação da Justiça.

Nas conversas, Tasso e outros senadores foram incisivos para que o partido deixe o governo. Apenas o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC), defendeu a permanência. De acordo com os presentes, Aécio falou apenas em "unidade" do partido.

Ala significativa do partido também acredita que depois que a tramitação da reforma trabalhista no Senado for concluída, um tema caro ao PSDB, o partido tenderia ainda mais a abandonar a gestão Temer.

PRESIDÊNCIA

Tasso afirmou ainda que o partido deve ter uma posição "definitiva" sobre a presidência da sigla até o fim da semana. Ele assumiu interinamente o comando do PSDB em maio. Depois que o STF decidiu afastar Aécio de suas funções no Senado, ele decidiu se licenciar do cargo de presidente da sigla.

Com a volta de Aécio às atividades políticas, após decisão do STF da última sexta-feira (30), o comando do PSDB terá de ser redefinido.

"A decisão será dele porque é ele que tem o mandato", disse Tasso. "Até o fim da semana ele já terá organizado a casa", disse.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias