Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Empresário confirma lavagem de dinheiro de ex-primeira-dama do Rio

Loading...

POLíTICA

Empresário confirma lavagem de dinheiro de ex-primeira-dama do Rio

ITALO NOGUEIRA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O empresário Luiz Alexandre Igayara afirmou nesta quarta-feira (10) que emitiu notas frias em nome do escritório da ex-primeira-dama do Rio Adriana Ancelmo. Ele disse que pagou à empresa R$ 2,5 milhões sem a prestação de serviços.

Igayara firmou acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal e foi o primeiro a confirmar à Justiça o uso do escritório de Ancelmo no esquema do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB).

O empresário disse que recebia em dinheiro o valor em sua empresa, a Reginaves (Frangos Rica) entre 2012 e 2014. Por vezes, o montante era transportado em carros-fortes da empresa Trans-Expert para a sede da empresa.

A guarda de valores já havia sido citada pelo ex-secretário Hudson Braga. Ele afirmou que recursos de caixa dois de campanha do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), ficavam guardados no cofre da Trans-Expert.

Igayara disse ao juiz Marcelo Bretas, responsável pela operação Lava Jato no Rio, que Cabral caracterizava o dinheiro como "sobras de campanha".

"Ele sempre falou [que era sobra de campanha]. Ele me pediu quando fui reclamar de uma autuação da Receita", disse o empresário, que afirmou sempre ter tratado do ato ilícito com o ex-governador.

Ancelmo negou em depoimento que tenha cometido qualquer crime. Ela disse que prestou serviços à Reginaves, por meio de reuniões, pareceres e análise de documentos.

"A empresa tinha muitos passivos trabalhistas. Em 2012, reorganizamos a empresa para sanar o problemas. Em 2014, o serviço tinha como objetivo sanar essas passivos uma vez que isso estava afastando interessados em comprá-la", disse Adriana Ancelmo.

A ex-primeira dama negou com veemência a Bretas participação no esquema criminoso descrito pelo MPF.

"Nenhum empresário, operador ou o que for pode dizer que lavou dinheiro através do meu escritório. Jamais tive participação ou conhecimento sobre o que supostamente foi realizado", disse ela.

A suposta lavagem de dinheiro também é alvo de outra ação penal que envolve o empresário Eike Batista. A EBX repassou R$ 1 milhão à firma em 2011. Para a Procuradoria, a movimentação refere-se a pagamento de propina. Ela também negou crime na operação.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias