Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ex-aliado de Pezão atuou para emplacar negócio com governo

Loading...

POLíTICA

Ex-aliado de Pezão atuou para emplacar negócio com governo

ITALO NOGUEIRA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O ex-secretário de Obras do Rio Hudson Braga, preso na Operação Lava Jato, intermediou, após sair do governo, o aluguel de dois edifícios que abrigariam o novo Centro Administrativo do Estado.

O negócio chegou a ser avalizado pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), mas não foi concretizado em razão do agravamento da crise financeira do Estado.

A informação consta de relatório da Polícia Federal que analisa e-mails e documentos do ex-secretário. Acusado de cobrar a chamada "taxa de oxigênio" --1% sobre os contratos de obras--, Braga foi braço-direito de Pezão durante a gestão Sérgio Cabral (PMDB) e coordenou sua campanha em 2014.

A consultoria de Braga foi contratada pela Confidere (empresa que projeta edifícios sob medida para futuro locatário) em maio de 2015 para identificar potenciais clientes para o desenvolvimento de empreendimento na Cidade Nova, próximo ao Sambódromo. Em dezembro de 2015, as empresas desenvolveram o conceito do centro administrativo do governo.

Ele interligaria o novo prédio a ser construído sob medida com outro já existente, atrás do Sambódromo.

Braga informou aos parceiros no mesmo mês, segundo a PF, que a proposta foi levada "ao conhecimento do governador, que confirmou interesse". A partir daí, indicam os documentos, a gestão do projeto junto ao governo seria conduzida pela Confidere.

A intenção de criar o centro administrativo foi anunciada por Pezão em entrevista ao jornal "O Globo" em janeiro de 2016. A gestão do peemedebista estimava uma economia de R$ 600 milhões por ano, com racionalização de custos de segurança e outros serviços num mesmo local.

Em março de 2016, o governador enviou ofício à empresa confirmando o interesse. Informou que "pretende apresentar proposta de contrato de locação". "Infere-se, de acordo com as circunstâncias, que, tal fato [contrato entre Braga e Confidere], sem sombra de dúvidas, deve ter contribuído para assinatura da carta de intenção", diz a PF no relatório.

Braga receberia uma comissão de 4,5% a 8% do total do aluguel pago, segundo documentos encontrados.

O contrato acabou não sendo assinado em razão do agravamento da crise.

OUTRO LADO

O governo do Rio afirmou que o projeto do centro administrativo foi apresentado ao Estado pela Confidere. Não se sabia da participação de Braga no empreendimento, diz o governo.

De acordo com a assessoria, o centro administrativo iria "reduzir os custos das secretarias com aluguel, segurança patrimonial, limpeza, entre outros". O Estado diz que a negociação não foi concretizada "por causa do agravamento da crise financeira".

A Confidere afirmou que assinou contrato com a consultoria de Braga para identificar potenciais clientes para desenvolver projeto no terreno. Outras duas consultorias, diz a companhia, foram contratadas com o mesmo objetivo. "Nenhum desses contratos teve êxito", disse a empresa.

O advogado do ex-secretário, Roberto Pagliuso, informou que não iria se manifestar sobre o caso.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias