Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Petista diz ver espaço para falar com FHC, mas refuta diálogo com Temer

Loading...

POLíTICA

Petista diz ver espaço para falar com FHC, mas refuta diálogo com Temer

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez nesta quarta-feira (26) um aceno público em direção à abertura de diálogo com seu antecessor no Planalto, o tucano Fernando Henrique Cardoso.

"Eu fiquei muito agradecido quando ele foi me visitar no hospital e acho que há um espaço para conversar sobre reforma política. E também discutir sobre economia, não tem problema", afirmou o petista em entrevista ao SBT.

Lula refutou, no entanto, a possibilidade de aproximação com o presidente Michel Temer (PMDB). "A forma como ele chegou ao governo não condiz, inclusive, com as conversas que tive com ele."

Desde a visita de FHC e Temer ao petista, durante a internação da ex-primeira dama Marisa Letícia, em fevereiro deste anos, auxiliares do trio admitem a possibilidade de conversas entre eles.

Há duas semanas, a Folha de S.Paulo mostrou que, diante do avanço da Operação Lava Jato, os três passaram a articular um pacto por sobrevivência política na eleição de 2018.

Na entrevista, o petista disse também que não vai fazer "nenhum acordo sobre a Lava Jato". "Se tiver de ter reunião entre os políticos, tem de ser os presidentes dos partidos que puxem, é para discutir reforma política".

Se o país seguir com a lógica de "desmoralização dos partidos", continua, o resultado é "fascismo e nazismo".

Lula afirmou também que, "obviamente", na "situação que está", será candidato à Presidência no ano que vem. "E vou dizer mais. Eu, agora, quero ser candidato."

Se, for impedido pela Justiça de disputar as eleições por causa de uma possível condenação em segunda instância na Lava Jato, diz, "seria melhor eles terem coragem de dizer: 'Vamos dar o segundo golpe neste país'".

BARGANHA

Lula afirmou também que não topa a "barganha" do juiz Sergio Moro, que indicou que -- caso o petista aceite reduzir o número de 86 testemunhas de defesa apresentadas em uma das ações da Lava Jato --, pode desistir da ideia de obrigá-lo a acompanhar todos os depoimentos.

"Não tem barganha. Se o juiz Moro fez essa proposta de barganha, para dizer que assim não exigirá minha presença, para mim não tem problema. Se for preciso eu mudo para Curitiba e fico lá o tempo necessário para esperar o julgamento", disse.

Em outra frente que o atinge na Lava Jato, o ex-presidente saiu em defesa de seu ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que negocia delação premiada e pode mencioná-lo na colaboração. "Palocci é meu amigo, fundador do PT, uma das maiores inteligências políticas do país."

Ele disse que não se preocupa com a possibilidade de Palocci se tornar delator e afirmou que citar seu nome já se tornou uma condição "sine qua non" para que uma colaboração seja aceita. "Se tudo que eu tenho que fazer pra sair [da prisão] é alguma futrica contra o Lula, eu vou delatar até a mãe", afirmou.

Lula também contestou afirmações feitas por Emilio Odebrecht, patriarca da empreiteira baiana, em seu acordo de delação premiada, de que tratou de recursos para campanhas com o petista.

"Duvido que o Emílio tenha em algum momento conversado comigo sobre dinheiro de campanha. Se você estabelece relação de pedir recurso para empresário, você cria uma relação de promiscuidade", afirmou.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias