Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Alvo de inquérito, Paulinho da Força diz que quem não apareceu na lista está sem prestígio

Loading...

POLíTICA

ATUALIZADA - Alvo de inquérito, Paulinho da Força diz que quem não apareceu na lista está sem prestígio

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Alvo de um dos inquéritos autorizados pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) diz que "quem tem de estar preocupado é quem não saiu na lista".

"Quem não apareceu está sendo considerado desprestigiado", afirmou.

Ele disse que a divulgação dos 108 políticos que se tornaram alvo de investigações a partir das delações de ex-executivos da Odebrecht não trouxe consequências ao Congresso.

"Não tem clima de problema, não, o pessoal está até brincando: 'Você tá na lista?', 'Você tá na lista?'."

A investigação sobre Paulinho é baseada nas declarações prestadas pelos colaboradores Carlos Armando Guedes Paschoal, o CAP, e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar.

CAP foi diretor da Odebrecht em São Paulo e Alencar era diretor de relações institucionais da empreiteira.

Segundo o Ministério Público, Paschoal diz ter recebido pedido de Paulinho para que a empreiteira contribuísse com sua campanha eleitoral, em 2010. A Odebrecht repassou naquele ano R$ 200 mil em espécie, sem qualquer registro oficial.

Alexandrino Alencar, por sua vez, diz ter recebido a solicitação diretamente do parlamentar e após concordar com o repasse o deputado federal teria auxiliado a empresa nas soluções de problemas na obra RNEST e nas Usinas Hidrelétricas do Rio Madeira.

Outra razão citada por Alexandrino seria o "assento" que a Força Sindical detinha no FI-FGTS e da relação que o deputado Paulo Pereira tinha com a pessoa de Luiz Fernando Emediato.

Ambos os colaboradores afirmam que os valores foram repassados por meio do Setor de Operações Estruturadas. O beneficiário, segundo Cap e Alexandrino, era identificado nas planilhas pelos apelidos "Boa Vista" e "Força".

Paralelo a isso, segundo os delatores, houve doação oficial de R$ 500 mil reais ao parlamentar.

Paulinho também é alvo de outro inquérito aberto por Fachin a pedido da Procuradoria. Segundo o despacho do relator da Lava Jato, os colaboradores da empreiteira afirmaram que a campanha de 2014 do candidato recebeu R$ 1 milhão, em duas parcelas, em pagamentos não contabilizados, em troca de vantagens indevidas.

Para a PGR (Procuradoria-Geral da República), há indícios de que os recursos foram fruto de propina e por isso a investigação aponta a suspeita de corrupção passiva.

Os delatores foram Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental, e Hilberto Mascarenhas, ex-diretor do departamento de operações estruturadas, o setor de propinas da empresa, de onde teria saído o dinheiro para Paulinho da Força.

De acordo com a Procuradoria, o apelido do deputado nas planilhas internas da Odebrecht era "Forte", suposta referência à Força Sindical.

"Tal pagamento se dava como contrapartida ao apoio político do referido parlamentar em função da greve ocorrida na Embraport em Santos/SP e da invasão que a sede do grupo empresarial sofrera no ano de 2013", diz trecho da decisão de Fachin pela abertura do inquérito.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias