Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relator defende celeridade, mas acata pedido da defesa de Dilma por prazo maior

Loading...

POLíTICA

Relator defende celeridade, mas acata pedido da defesa de Dilma por prazo maior

REYNALDO TUROLLO JR.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No início da sessão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que julgará a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, em ação proposta pelo PSDB, o advogado de defesa de Dilma propôs uma questão de ordem, pedindo que o prazo para as alegações finais fosse de cinco dias.

O advogado Flávio Caetano argumentou que o TSE unificou quatro ações diferentes que pediam a cassação da chapa de 2014.

O pacote incluía uma AIJE, duas AIMEs (ações de impugnação de mandato eletivo) e uma representação. Ao julgar algumas dessas ações, a corte costuma dar cinco dias para as alegações finais.

A defesa de Dilma afirma que Benjamin deveria ter dado cinco dias, e não dois, para que eles se manifestassem pela última vez.

De acordo com Nicolau Dino, vice-procurador eleitoral, "os representantes do Ministério Público não se opõe ao acréscimo de prazo".

Já o relator do processo no TSE, o ministro Herman Benjamin se manifestou contrário ao eventual adiamento do julgamento da chapa Dilma-Temer.

"Prorrogar ainda mais, inclusive com risco de alcançar o término do mandato, parece-me medida desarrazoada e incompatível com importância nacional desse feito", afirmou Benjamin. Ele disse que seu esforço, e do tribunal, deve ser para "dar celeridade" ao processo.

"Este processo já tramita no TSE há cerca de dois anos e seis meses, por razões que não podem ser imputadas a este relator." Benjamin assumiu a ação em setembro de 2016, após a ministra Maria Thereza de Assis Moura deixar o tribunal.

Benjamin afirmou ainda que a ministra Maria Thereza, relatora anterior da ação no TSE, havia definido, no ano passado, seguir o rito da Aije (ação de investigação judicial eleitoral), que dá dois dias para manifestação da defesa. Além disso, para Benjamin, cabe a ele zelar pela celeridade do processo.

Por fim, porém, o próprio relator decidiu conceder o prazo solicitado pela defesa de Dilma -mais três dias-, apesar de reconhecer que isso irá atrasar o desfecho do julgamento.

CHEGADA

Antes de a sessão começar, Caetano havia antecipado que um dos pontos a ser debatidos era a questão do prazo dado à defesa para suas alegações finais.

"Documentos foram juntados durante o prazo. Nós tivemos que analisar em dois dias 40 mil documentos. É óbvio que três dias a mais [prazo pleiteado] fazem diferença para a defesa", disse.

Caetano afirmou também que a ex-presidente está "tranquila e confiante" em relação ao julgamento.

Questionado sobre a tese da defesa de Temer, de que as contas dos candidatos a presidente e a vice em 2014 podem ser separadas, Caetano refutou essa possibilidade.

"A nossa Constituição e o nosso Código Eleitoral estabelecem que a eleição do vice depende da do presidente. A prestação de contas é única", afirmou.

O advogado de Dilma disse que não interessa à defesa adiar o julgamento, mas que é "natural" que, em um processo com tal complexidade, ministros peçam mais tempo para analisar os autos.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias