Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

PSOL faz pedido de impeachment de Pezão por falta de verba na saúde

Loading...

POLíTICA

PSOL faz pedido de impeachment de Pezão por falta de verba na saúde

NICOLA PAMPLONA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A bancada do PSOL na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro protocolou na tarde desta quinta (16) pedido de impeachment do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

O pedido está baseado no descumprimento do limite mínimo de gastos com saúde previsto em lei, que demanda um aporte equivalente a pelo menos 12% das receitas com impostos e transferências governamentais.

Em balanço divulgado nesta quarta (15), o governo Pezão informou ter gasto em 2016 R$ 3,754 bilhões com serviços públicos de saúde, o que equivale a 10,35% da arrecadação.

No pedido de impeachment, o PSOL argumenta que o descumprimento do limite "implica na desobediência das normas constitucionais, legais e infralegais que regulam a matéria, hipótese que deve enquadrar a conduta do atual governador do Estado do Rio de Janeiro no crime de responsabilidade previsto no art. 10, item 12, da Lei federal 1.079/50".

O baixo gasto com saúde já é tema de um processo do Ministério Público Estadual contra o governador, aberto a pedido do Conselho Regional de Medicina por descumprimento do limite em 2014.

Para os deputados do PSOL, a conduta do governo "submete os usuários fluminenses do SUS a um risco permanente".

O pedido de impeachment protocolado nesta quinta cita ainda "a situação de penúria dos serviços públicos essenciais", a concessão de isenções fiscais a empresas e o caos financeiro no Estado, que fechou 2016 com um déficit de R$ 17 bilhões.

Na Assembleia, a possibilidade de impeachment já vem sendo debatida nos bastidores desde o final do ano passado, diante das dificuldades que o governo vem enfrentando para contornar a crise financeira -atrasos frequentes de salários provocaram uma onda de protestos, incluindo mobilização de mulheres de policiais iniciada na última sexta (10), que levou o governo a pedir apoio das Forças Armadas para o patrulhamento da capital.

A avaliação na oposição, porém, é que qualquer avanço nas discussões depende do presidente da casa, Jorge Picciani (PMDB), que tem controle sobre a base de apoio do governo e, por enquanto, diz que seu foco é aprovar o pacote de medidas anticrise.

O governo do Estado não comentou o assunto.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias