Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Delatores de Cabral e Eike cumprem prisão domiciliar em Portugal

Loading...

POLíTICA

Delatores de Cabral e Eike cumprem prisão domiciliar em Portugal

GABRIELA SÁ PESSOA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sérgio Cabral e Eike Batista são quase vizinhos no complexo penitenciário de Bangu, no Rio. O ex-governador está na unidade número oito e o empresário, na de número nove.

Enquanto isso, os irmãos delatores que expuseram ao Ministério Público Federal (MPF) o esquema do político e do ex-bilionário estão a um oceano de distância, cumprindo prisão domiciliar em Portugal.

Quando depuseram ao procuradores da Operação Calicute, Renato e Marcelo Chebar concordaram em cumprir uma pena de, no máximo, cinco anos. O crime: operar a ocultação de dinheiro ilícito do ex-governador, em ao menos nove países, desde 2002.

Nos primeiros seis meses, os dois escolheram se mudar para Portugal, onde são monitorados por autoridades lusitanas.

Lá, devem manter uma linha de telefone e um endereço de e-mail, em que possam ser acionados para responder a eventuais intimações e se colocar à disposição de qualquer autoridade brasileira em, no mínimo, 72 horas.

Depois desse semestre inicial, os Chebar podem prestar serviços comunitários por mais seis meses, dispensados de tornozeleira eletrônica. E então seguem para regime aberto, sem qualquer limitação.

O procurador José Augusto Vagos, um dos responsáveis pela investigação, diz que o depoimento dos dois irmãos foi fundamental para revelar o caminho da fortuna de Cabral pelo exterior que a força-tarefa "sequer desconfiava que existia".

Astrólogo, Renato Chebar foi o primeiro a conhecer Cabral, em 2002. Em depoimento, ele contou que no carnaval daquele ano o peemedebista, então deputado estadual, o procurou pois precisava depositar uma pequena quantia de dólares no exterior. Estava preocupado com o escândalo do propinoduto -ainda que não estivesse envolvido com ele.

Em 2003, quando chegou ao Senado, ele pediu que Chebar escondesse US$ 2 milhões em contas no nome do operador nos EUA. Os valores cresceram junto com a carreira política de Cabral: em 2007, ano em que se tornou governador, as cifras foram a US$ 6 milhões.

Afinal, foram US$ 100 milhões mantidos no exterior pelos irmãos operadores ao longo desses anos -com propinas de Eike inclusive. Parte da propina do empresário foi disfarçada com a falsa compra de minas de ouro no Uruguais, intermediada pelos Chebar. Parte dessa fortuna incluía 29 diamantes, avaliados em cerca de US$ 2,1 milhões. A pedra mais valiosa é uma de 4,05 quilates, com o terceiro maior grau de pureza atribuída às joias.

Agora reluzentes ao poder público, os crimes financeiros de Cabral custaram aos operadores quase R$ 20 milhões em multas, já depositados.

Os Chebar devolveram, cada um, R$ 9,95 milhões aos cofres públicos. A denúncia à força-tarefa, segundo o procurador Vagos, permitiu que a força-tarefa repatriasse "em tempo recorde" outros R$ 270 milhões.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56