Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em proposta de delação, empreiteiro cita PSDB e PMDB, diz jornal

Loading...

POLíTICA

Em proposta de delação, empreiteiro cita PSDB e PMDB, diz jornal

- Atualizado em 19/10/2016 23:11

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dono da construtora Delta Engenharia, o empresário Fernando Cavendish negocia um acordo de delação premiada em que promete detalhar suposto esquema de pagamento de propinas a políticos do PSDB e do PMDB, de acordo com informações do jornal "O Estado de S. Paulo".

Um dos beneficiados pelo esquema seria o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB). Cavendish também mencionou irregularidades no Rio de Janeiro. Sua relação com o governador Sérgio Cabral (PMDB) e desvios teriam garantido contratos -entre eles, a participação no consórcio que reformou o Maracanã.

A proposta de delação, que foi apresentada para o Ministério Público Federal do Rio de Janeiro e para a Procuradoria-Geral da República, acontece no âmbito da Operação Saqueador, que investiga irregularidades em repasses de recursos públicos e fraudes nas obras da empreiteira.

Cavendish foi alvo da operação em junho, quando ele e o empresário Carlinhos Cachoeira foram presos preventivamente. Ambos receberam habeas corpus do STJ (Superior Tribunal de Justiça) em agosto e cumprem prisão domiciliar.

Ainda segundo o jornal, Cavendish deve detalhar pagamentos indevidos de R$ 71 milhões na obra de ampliação da Marginal Tietê, realizada entre 2009 e 2011 por meio de um convênio firmado entre o governo do Estado, então nas mãos de José Serra (PSDB), e a prefeitura, que era governada por Gilberto Kassab (PSD).

Quanto ao Rio de Janeiro, os documentos apresentados por Cavendish comentariam em detalhes sua relação com o governador do Estado, Sérgio Cabral (PMDB).

A Delta teria praticado desvios para obter contratos de obras como a reforma do Estádio do Maracanã e do Parque Aquático Mária Lenk, sede da Olimpíada Rio-2016, e a transposição do rio Turvo.

GOIÁS E DNIT

Além das irregularidades em São Paulo e no Rio, o acordo de delação citaria desvios de ao menos R$ 276 milhões em Goiás, tanto em contratos com o governo de Marconi Perillo (PSDB) quanto em acordos com municípios.

Cavendish também apresenta, na proposta de colaboração, detalhes sobre pagamentos indevidos relacionados a contratos firmados com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) para obras em ao menos quatro rodovias federais.

OUTRO LADO

Ao jornal "O Estado de S. Paulo", o senador Aloysio Nunes Ferreira negou ter relações com Cavendish. Sério Cabral, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que não vai fazer comentários, assim como o advogado Antônio Sérgio de Moraes Pitombo, que defende Cavendish. Perillo negou as acusações. A Procuradoria-Geral da República informou que não comenta negociações para delação.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56