Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lobista que acusou Capez fica em silêncio na CPI da Merenda

Loading...

POLíTICA

Lobista que acusou Capez fica em silêncio na CPI da Merenda

REYNALDO TUROLLO JR.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Apontado como lobista da Coaf, cooperativa suspeita de ter fraudado a venda de suco para a merenda em São Paulo, Marcel Ferreira Julio foi convocado a depor à CPI que apura o caso na Assembleia Legislativa, mas permaneceu em silêncio.

A pedido da defesa de Marcel, a CPI marcou para esta terça (11) uma sessão fechada à imprensa e ao público. Mesmo com sua exigência atendida, o suspeito alegou que tinha o direito de permanecer calado, conforme lhe garantiu um habeas corpus expedido pelo Tribunal de Justiça.

O depoimento era um dos mais esperados, porque Marcel é considerado o elo entre a Coaf e agentes públicos que teriam recebido propina em um contrato da Secretaria Estadual de Educação.

Em acordo de delação premiada fechado com o Ministério Público e homologado pelo TJ em abril, o lobista afirmou que pagou propina a ex-assessores do presidente da Assembleia, Fernando Capez (PSDB), e que parte do dinheiro foi para a campanha do deputado de 2014. Capez nega.

Ao sair da CPI, Marcel reafirmou à imprensa que pagou a ex-assessores do gabinete do tucano, e citou nominalmente Jeter Rodrigues Pereira e José Merivaldo dos Santos. Ele não quis dar mais informações.

Pereira e Merivaldo já foram ouvidos na CPI e negaram ter recebido propina referente ao contato entre a Coaf e o governo Geraldo Alckmin (PSDB).

Tanto o deputado Alencar Santana Braga (PT), de oposição ao governo, como Barros Munhoz (PSDB), da base, afirmaram que a CPI deve reconvocar os ex-assessores.

Ambos são servidores de carreira na Assembleia. Pereira se aposentou em maio deste ano, em meio às investigações sobre a merenda. Merivaldo está de licença desde o início do ano para tratar uma doença.

Eles são alvo de uma sindicância interna na Assembleia que pode levá-los à perda dos benefícios e ao desligamento do serviço público -a sindicância, porém, já se arrasta em sigilo há mais de seis meses, sem resultados.

SUMIÇO DE DOCUMENTO

Além de Marcel, a servidora da Secretaria da Educação Dione Pavan também foi convocada a depor à CPI nesta terça.

Dione era nutricionista da coordenadoria responsável, entre outras coisas, pela compra de merenda. Ela foi a última pessoa da pasta a ver um documento da Coaf que sumiu dos arquivos.

Trata-se de um pedido de reequilíbrio econômico, espécie de aditivo que a Coaf protocolou na secretaria em dezembro de 2015 -um mês antes de a polícia descobrir o esquema- pedindo para aumentar em 22% o fornecimento de suco.

O documento era considerado importante para a investigação porque, conforme grampos telefônicos, foi feito pela Coaf seguindo orientações de ex-assessores do governo.

Sobre esse documento, o ex-chefe de gabinete da Casa Civil Luiz Roberto dos Santos, o Moita, foi flagrado em uma ligação com Marcel. Nesse grampo, Moita ainda citava o ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação, Fernando Padula. Ambos estiveram na CPI na semana passada e negaram irregularidades.

"[O pedido de reequilíbrio econômico] Não foi endereçado a mim, mas chegou até mim", disse Dione, sobre o papel que desapareceu.

"Minha sala [na secretaria] é aberta, 20 pessoas trabalham lá. Eu não sumi com o documento, o documento é que sumiu da minha mesa", afirmou a servidora.

Ela não soube explicar por que um documento sobre ampliação de contrato foi enviado para o Departamento de Nutrição, onde ela atuava. Não era atribuição dela analisá-lo.

Dione foi exonerada do cargo comissionado que ocupava na secretaria e voltou a trabalhar numa diretoria regional, onde é concursada. À CPI ela disse que não sabe o motivo de ter sido demitida.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias