Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Entidades repudiam quebra de sigilo telefônico de jornalista da "Época"

Loading...

POLíTICA

Entidades repudiam quebra de sigilo telefônico de jornalista da "Época"

- Atualizado em 09/10/2016 10:40

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - As entidades Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas), ANJ (Associação Nacional de Jornais) e Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) repudiaram decisão judicial que determinou a quebra do sigilo telefônico de um jornalista da revista "Época".

"A quebra do sigilo telefônico de um jornalista implica em gravíssima violação ao direito constitucional do sigilo da fonte e ao livre exercício da profissão de jornalista", diz trecho de nota divulgada neste sábado (8).

Segundo a revista "Época", a juíza Pollyana Kelly Alves, da 12ª Vara Federal de Brasília, autorizou no dia 17 de agosto a quebra do sigilo do colunista Murilo Ramos.

De acordo com a revista, o pedido à Justiça foi feito pelo delegado da Polícia Federal João Quirino Florio, com o aval da procuradora da República do Distrito Federal Sara Moreira de Souza Leite.

A Aner diz que entrou com pedido de habeas corpus na sexta (7) para revogar a decisão. O recurso foi distribuído ao desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O episódio está ligado ao escândalo Swissleaks, uma investigação internacional sobre lavagem de dinheiro da divisão suíça do banco HSBC. O delegado da Polícia Federal foi designado a investigar, em abril de 2015, o vazamento à "Época" de um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) com a lista de brasileiros suspeitos de ter contas secretas na filial do banco na Suíça.

A revista publicou, em fevereiro de 2015, reportagem, com a participação do jornalista Murilo Ramos, sobre o relatório e a investigação do Coaf. Segundo a "Época', o delegado pediu a quebra do sigilo do jornalista no dia 20 de abril deste ano. Ele prestou depoimento à PF em julho - na ocasião, diz a revista, Ramos recusou-se a revelar a identidade de fontes, invocando o direito constitucional ao sigilo delas.

Na nota divulgada neste sábado, as três entidades (Aner, ANJ e Abert) dizem que "repudiam a decisão da juíza e reforçam que não há jornalismo nem liberdade de imprensa sem sigilo da fonte, pressuposto para o pleno exercício do direito à informação".

A Aner afirma que tomará todas as medidas necessárias para revogar a decisão, que, segundo a entidade, "configura grave precedente de afronta à liberdade de informação".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 06/12

VICTOR FUGANTI, 94 ANOS

ANTÔNIO JACOMETO, 81 ANOS

GUILHERME GONÇALVES SOARES, 17 ANOS

APUCARANA 05/12

APUCARANA YOSHIMATSU NIKI, 99 ANOS
JOSÉ BECEL, 80 ANOS
SULINA ANTÔNIO DA SILVA, 82

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60