Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Algum dia todos os brasileiros poderão usar polo Ralph Lauren', diz Doria em festival de jornalismo

Loading...

POLíTICA

'Algum dia todos os brasileiros poderão usar polo Ralph Lauren', diz Doria em festival de jornalismo

- Atualizado em 08/10/2016 17:00

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Prefeito eleito de São Paulo, João Doria recusou neste sábado (8) as comparações com o candidato a presidente dos EUA pelo Partido Republicano, Donald Trump, feitas por jornais americanos como "Washington Post" e "New York Times" e também europeus.

"Eu agradeço e declino", afirmou o tucano, durante entrevista pública no Festival Piauí GloboNews de Jornalismo. "Não tenho nenhuma identidade com ele", acrescentou, dizendo-se "totalmente Hillary" Clinton, a adversária democrata de Trump.

Doria questionou a divisão da política em esquerda e direita, mas sublinhou ser social-democrata, como está no nome de sua legenda, Partido da Social Democracia Brasileira.

"Eu sou um jornalista", afirmou o prefeito eleito, ao abrir sua participação. Disse que, na campanha, desenvolveu uma visão sobre o jornalismo, do outro lado: "A imprensa elogia pouco e critica muito. Faz parte do jogo".

Sobre o questionamento de sua imagem, comentou: "Incorporei a coxinha. Em vez de combater, eu assumi". Na mesma linha, afirmou depois, ao comentar um meme que o ironizou: "Algum dia todos os brasileiros poderão usar polo Ralph Lauren".

Quanto à divisão que sua candidatura causou no partido, afirmou já ter conversado com todos os que foram contra ele. "Já falei com [Alberto] Goldman, com Aloysio [Nunes Ferreira], com José Aníbal."

Acrescentou, arrancando gargalhadas: "Serra me telefonou, me cumprimentou. Dentro dos critérios do chanceler José Serra, ele foi generoso".

FUTEBOL E PAZ

Pela manhã, ao abrir o evento, o jornalista alemão Thomas Kistner, autor do livro "Fifa Maffia", fez um histórico da "família" que dominou a entidade de futebol por cinco décadas, a partir da presidência do brasileiro João Havelange e tendo a marca alemã Adidas como "verdadeiro regente".

Esse domínio só começou a ser rompido, segundo Kistner, com a entrada em cena de uma força policial com poder para agir em diversos países, o FBI, a polícia federal americana. "Até o FBI entrar, em 2010, só havia a mídia [para investigar a Fifa] e a mídia falhou." À tarde, Ginna Morelo, do jornal colombiano "El Tiempo", falou sobre o processo de pacificação de seu país e da escolha do presidente Juan Manuel Santos para receber o Nobel da Paz. Sobre este, afirmou que quem deveria receber o prêmio eram as vítimas colombianas da guerra.

Acrescentou que, do ponto de vista do jornalismo, a pacificação passa por mudanças na própria narrativa que adota, por "desarmar a linguagem", por exemplo, de expressões como narcoterrorismo. Também por evitar a ditadura do "clique", a busca de repercussão, ecoando cada palavra do ex-presidente Álvaro Uribe, contrário ao processo.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 03/12

ALTAIR RAIMUNDO DE SOUZA, 46 anos
AMADEU FERNANDES, 58 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56