Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crivella diz que não pretende fazer acordo com PMDB no 2º turno no Rio

Loading...

POLíTICA

Crivella diz que não pretende fazer acordo com PMDB no 2º turno no Rio

LUIZA FRANCO

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O senador Marcelo Crivella (PRB), 58, que chegou em primeiro lugar no primeiro turno da eleição para a Prefeitura do Rio, comemorou o resultado em coletiva de imprensa na noite deste domingo (2), e afirmou que, para vencer no segundo turno, pretende fazer um amplo acordo de alianças, mas sem o PMDB.

O candidato peemedebista, Pedro Paulo, ficou fora do segundo turno, em terceiro lugar, com 16,12%.

"Não conversei com eles [PMDB] e não tenho a intenção. Com os quadros políticos atuais do Rio, acho que não converso. Eu aceito os votos [do eleitor do Pedro Paulo], mas não farei acordos sobre cargos, posições de governo, isso não há hipótese", disse o candidato, que criticou o PMDB durante sua campanha.

Crivella evitou responder quais partidos procurará, dizendo apenas que conversará com todos. "Vamos conversar com todos, procurar todos. Acho que a população do Rio entende que política se faz com alianças."

O senador vai disputar o segundo turno com Marcelo Freixo (PSOL), 49. Questionado sobre quais vantagens teria sobre Freixo, citou os dez pontos que os separaram no resultado deste domingo. "Seria indelicado [citar vantangens]. Estou com 28% e ele, com 18%. Essa é a maior vantagem que eu poderia pedir a Deus."

Para vencer, Crivella disse que vai concentrar esforços nas zonas oeste e norte da cidade, que têm mais votos e são mais carentes.

REJEIÇÃO

Na véspera da eleição, segundo o Datafolha, o índice de rejeição de Crivella aumentou, foi de 25% para 31%, enquanto o de Freixo se manteve estável (de 11% para 12%).

Crivella minimizou a desvantagem. "Não é uma rejeição de veemência, é de preconceito. Temos certeza de que vamos suplantá-la", disse, em referência à sua relação próxima com a Igreja Universal de Reino de Deus.

Crivella foi bispo e é sobrinho do bispo Edir Macedo. Sobre a presença da religião em um eventual governo seu, Crivella afirmou que a igreja não terá qualquer papel. "O Estado é laico", repetiu três vezes o candidato.

Outro aspecto de sua campanha que havia gerado rejeição a ele é a associação com o ex-governador Anthony Garotinho. Crivella fez aliança com seu partido, o PR.

"Essa é uma hipótese que 'O Globo' defendeu, mas não tem sentido, o Garotinho tem outros objetivos. Era mais fácil Pedro Paulo ter Eduardo Cunha como seu secretário de Fazenda, se ele tivesse chegado ao segundo turno."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

BOM SUCESSO 15/01

ANTÔNIO SOUZA CARDOSO, 70 anos

APUCARANA 15/01

GENIPE RODRIGUES DE OLIVEIRA, 96 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1894 · 14/01/2017

21 31 35 53 54 57