Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sergio Moro adia para esta quinta decisão sobre prisão de João Santana

Loading...

POLíTICA

Sergio Moro adia para esta quinta decisão sobre prisão de João Santana

JULIANA COISSI
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O juiz Sergio Moro, que conduz em primeira instância os processos da Operação Lava Jato, em Curitiba, decidiu deixar para esta quinta-feira (3) a decisão sobre a soltura do marqueteiro do PT João Santana e de sua mulher, Mônica Moura.
Eles foram presos no dia 22, durante a 23ª fase da Lava Jato, batizada de Acarajé, que investiga repasse ilegal a contas do casal no exterior pela construtora Odebrecht e pelo lobista Zwi Skornicki, em um total de US$ 7,5 milhões.
Moro já havia prorrogado a prisão temporária do casal no dia 26. Na sentença, publicada nesta quarta-feira (2), o juiz argumenta que prefere aguardar parecer da Polícia Federal e do Ministério Público Federal "acerca da evolução do exame das provas apreendidas e quanto à necessidade ou não do prosseguimento da prisão cautelar".
Nesta quarta, o juiz decidiu soltar Maria Lúcia Guimarães Tavares, também presa na operação. Ela tem vínculo empregatício com a Odebrecht e em seu poder foi encontrada uma planilha com menções a acarajé -que, pela leitura dos investigadores, referia-se ao pagamento de propina.
À polícia ela negou a acusação e disse que as anotações sobre "acarajé" se referiam literalmente a porções da comida baiana enviadas de Salvador para o Rio.
Na sentença, Moro afirmou que, apesar da gravidade dos fatos em apuração, Maria Lúcia "teria uma função subordinada no suposto esquema criminoso, sendo talvez desproporcional, neste momento", mantê-la presa.
Ela não poderá deixar o país nem mudar de endereço sem autorização judicial e deve estar disponível para os investigadores.
DEZ MOTIVOS
Mais cedo, o advogado do casal de marqueteiros, Fábio Tofic Simantob, havia encaminhado um documento ao juiz no qual listava dez motivos para a revogação da prisão do casal.
Ele voltou a dizer que o único delito que pode, em tese, lhes ser imputado é o de não declararem conta no exterior. A petição dizia também que, se apontasse lavagem de dinheiro por campanhas eleitorais no Brasil, seria necessário provar que o casal sabia da origem espúria do recurso.
A defesa ponderou que os publicitários estão longe de qualquer campanha brasileira, atuando no exterior, e que compareceram espontaneamente assim que souberam da ordem de prisão.
Afirmou ainda que Santana e Mônica "admitiram seus erros, e ainda abriram mão de todo e qualquer sigilo bancário ou financeiro", e que, assim que forem colocados em liberdade, vão apresentar extratos da conta bancária na Suíça e de outros documentos solicitados.
O texto reafirmou declarações de que Santana e Mônica nunca foram funcionários públicos nem mantêm ou já mantiveram contratos com o poder público, e que não são nem nunca foram operadores de propina ou lobistas.
"Ora, Excelência", encerrou a defesa, "não se pode exigir que presos, e sem garantia de que serão soltos, continuem colaborando com as investigações mais do que já vêm fazendo".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias