Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Candidatura de Dilma jamais teve atitude ilegal, diz Edinho Silva

Loading...

POLíTICA

Candidatura de Dilma jamais teve atitude ilegal, diz Edinho Silva

PAULO GAMA, ENVIADO ESPECIAL
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Coordenador financeiro da campanha de Dilma Rousseff em 2014, o ministro Edinho Silva (Comunicação Social) apontou uso político das investigações da Operação Lava Jato e afirmou nesta sexta-feira (26) que a candidatura presidencial "jamais teve qualquer atitude que não fosse dentro da legalidade".
A declaração foi dada em resposta a questionamentos sobre o aumento da pressão pela cassação da chapa de Dilma na Justiça Eleitoral, depois da prisão do marqueteiro da campanha, João Santana, e de sua mulher, Mônica Moura.
"O Tribunal Superior Eleitoral julga em cima de fato, de materialidade, não de especulação e ilação. Não em cima de uma investigação que tem de ser técnica, mas infelizmente é utilizada para disputa política", afirmou.
"A investigação muitas vezes é usada por setores da oposição -não é toda, porque tem gente responsável- mas setores da oposição se apropriam da investigação para fazer luta política."
O ministro deu as declarações ao chegar para a reunião do Diretório Nacional do PT que antecede as comemorações de 36 anos da sigla. O evento acontece em um dos momentos de maior tensão na relação do partido com Dilma Rousseff -que chegou a dizer a aliados que gostaria de não participar do evento.
Edinho atribuiu a possível ausência de Dilma à agenda que a petista cumpre no Chile e disse que sua "vontade política" era estar no evento.
"Não tem distanciamento da presidenta Dilma do PT. A presidenta é filiada ao PT. Ela junto com o presidente Lula são as maiores lideranças do nosso partido", afirmou.
Para o ministro, a crise é o momento de "enxergar aquilo que nos unifica". "O governo não irá tirar o Brasil da crise se o PT, junto com nossa coalizão, não tiver um papel de protagonismo, da mesma foram que o PT não irá superar sua crise sem o governo."
DISTÂNCIA
O apoio do Planalto ao projeto que reduz o peso da Petrobras na exploração do pré-sal, aprovado no Senado na quarta (24), ampliou os desgastes entre o PT e Dilma. Também contraria a militância o engajamento do governo em temas como a reforma da Previdência e a recriação da CPMF.
Na quinta (25), Rui Falcão, presidente da sigla, divulgou texto criticando o projeto aprovado no Senado e deixando clara a disposição do partido em abrir mão de defender a presidente para fazer acenos à sua base social.
Também na véspera do encontro, o partido preparou um documento a ser apresentado nesta sexta-feira com uma agenda que faz contraponto à política econômica de Dilma. O texto propõe medidas como o uso de parte das reservas internacionais para estimular a economia, a redução da taxa de juros e a ampliação de crédito, entre outras propostas que, na avaliação do partido, ajudariam o país a sair da crise.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 27/02

MARCELO BUCCI, 50 ANOS

SÃO JOÃO DO IVAÍ
NAIR L. SANTOS, 72 ANOS

CAMBIRA 27/02

ALAIDE ALVES DE JESUS, 78 ANOS

KALORÉ
CLAUDINEI GOMES, 42 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1907 · 25/02/2017

03 25 35 38 44 48