Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em ato de Doria, Alckmin é lançado à Presidência em 2018

Loading...

POLíTICA

Em ato de Doria, Alckmin é lançado à Presidência em 2018

THAIS ARBEX
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tucanos e aliados do governador Geraldo Alckmin transformaram o evento de encerramento da pré-campanha de João Doria a prefeito de São Paulo pelo PSDB em um ato de lançamento da candidatura do governador paulista à Presidência da República em 2018.
Nos discursos, parlamentares, secretários de Estado e representantes de partidos da base de Alckmin, como PSB, PPS, DEM e Solidariedade, afirmaram que a vitória de João Doria na eleição para a Prefeitura de São Paulo é o "primeiro passo para a vitória do partido no Brasil em 2018, com Geraldo Alckmin presidente".
Embora não tenha comparecido ao ato no Teatro Raul Cortez, na Fecomércio, na manhã deste sábado (20), Alckmin ordenou seu entorno a marcar presença, em uma demonstração de apoio ao empresário que disputa as prévias tucanas com o vereador Andrea Matarazzo e o deputado federal Ricardo Tripoli. A militância do partido definirá no próximo dia 28 quem enfrentará o prefeito Fernando Haddad (PT), que tentará a reeleição em outubro.
A presença que causou surpresa foi a do chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, um dos mais resistentes ao apoio de Alckmin a João Doria. O secretário evitou, no entanto, declarar apoio ao empresário e fez questão de deixar claro que foi ao ato em um gesto de lealdade ao governador. Aparecido centrou seu discurso no histórico e na unidade do partido e não fez nenhuma referência a Doria.
"Em 2004, nós estávamos unidos e ganhamos eleição com Serra para a Prefeitura de São Paulo. Em 2008, estávamos divididos e perdemos a eleição. Em 2012, voltamos a nos dividir e perdemos a eleição. Essa é uma lição da história que a gente não pode deixar para trás. Ou o PSDB se une e estamos todos juntos para enfrentar o grande inimigo que é o PT ou não seremos capaz de mostrar ao que viemos", afirmou.
"Essa é a grande questão que está colocada: temos de ter clareza de quem é o adversário, de que a unidade é a grande força desse partido, clareza do que significa a garra da nossa militância. É só isso que vai nos levar a uma vitória no final do ano, fundamental para que a gente possa pavimentar a eleição de Geraldo Alckmin à Presidência em 2018", completou.
O vice-governador Márcio França, que preside o PSB em São Paulo, foi o porta-voz do desejo de Alckmin e deu o recado da condição que os partidos da base do governador têm imposto ao PSDB para estar na chapa tucana nas eleições deste ano. "Para nós, que somos um partido aliado, é muito importante que o candidato do PSDB esteja afinado com o projeto de Alckmin presidente. O Brasil precisa disso. A vitória em São Paulo significará o primeiro passo importante para a vitória no Brasil", afirmou ele.
França disse ainda que, caso o PSDB não escolha um candidato alinhado ao governador, o PSB não estará com os tucanos. "Estou deixando claro isso. O nosso projeto político em São Paulo e no Brasil é a eleição de Geraldo Alckmin à Presidência da República", disse.
Os deputados federais Silvio Torres e Vanderlei Macris, tidos como representantes do governador na bancada do PSDB na Câmara, exaltaram a pré-candidatura de João Doria, afirmando que o empresário "tem cara de PSDB e tem cara de Geraldo Ackmnin" e também classificando a eleição na capital paulista como fundamental para a vitória do partido na eleição presidencial em 2018. "É o primeiro passo para nos vermos livre dessa maldição que se abateu sobre nós há 13 anos, que é o PT", afirmou Torres, que é secretário-geral do PSDB.
LULA
João Doria usou seu discurso para "fazer um apelo de unidade" aos adversários na disputa interna do PSDB e voltou a atacar o PT e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -apontado por dirigentes petistas como possível candidato a presidente em 2018.
"Queremos queremos estar muito distantes do PT. Primeiro porque o PSDB é um partido que tem decência, dignidade, honestidade, coisa que o PT, se tinha, perdeu há muito tempo", afirmou Doria. "Temos algo que o PT nunca teve: eficiência e capacidade de administrar a coisa pública com seriedade".
Classificando os 13 anos do governo do PT como "tragédia", Doria afirmou que Lula tem que aprender com "Geraldo Alckmin o que é fazer uma administração decente". "Geraldo Alckmin pode andar na rua, pode almoçar, pode jantar, pode tomar um café na padaria, pode frequentar qualquer bairro, que será aplaudido. Diferentemente do Lula, que será vaiado", disse o empresário.
"Lula, você não me intimida. Faça a ação que desejar. Já disse aos meus filhos que quero que meus netos e meus bisnetos tenham um certificado que seu avô foi processado por um cara-de-pau e um sem-vergonha como o Lula", afirmou João Doria. Lula acionou a Justiça depois de o empresário ter chamado, em recente palestra na Casa do Saber, o ex-presidente Lula de "sem-vergonha" e "sem-escrúpulos".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 22/02

JOÃO DA ROCHA GREGÓRIO, 68 ANOS
RENATO JOSÉ PAVOLAK, 56 ANOS

APUCARANA 22/02

MARIA DE FATIMA DA SILVA, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57