Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maioria do STF vota a favor de prisão após decisão de segunda instância

Loading...

POLíTICA

Maioria do STF vota a favor de prisão após decisão de segunda instância

MÁRCIO FALCÃO
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) votou nesta quarta-feira (17) para modificar entendimento do próprio tribunal e permitir a execução da prisão após o julgamento em segunda instância, ou seja, antes que se esgotem todas as chances de recurso, o chamado trânsito em julgado.
Atualmente, a sentença só é definitiva após passar por três graus de recursos: segundo grau, Superior Tribunal de Justiça e STF.
Votaram nesse sentido os ministros Teori Zavascki, Luiz Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes.
Até agora, a ministra Rosa Weber foi a única a defender entendimento do Supremo, fixado em 2009, de que a prisão só cabe após o trânsito em julgado. Outros três ministros ainda precisam votar. Os membros da corte ainda podem alterar seus votos até o fim do julgamento.
Essa reformulação no entendimento foi defendida pelo juiz federal Sergio Moro, que atua nos processos da Operação Lava Jato, e chegou a ser classificada como "essencial para garantir maior efetividade do processo penal e proteção dos direitos da vítima e da sociedade, sem afetar significativamente os direitos do acusado".
Para os ministros favoráveis à modificação, a medida é importante para combater a morosidade da Justiça.
"A sociedade não aceita mais essa presunção de inocência de uma pessoa condenada que não para de recorrer", disse Luiz Fux, destacando que houve deformação sobre presunção de não culpabilidade.
Segundo Barroso, a modificação prestigia os juízes da primeira e segunda instância, evitando que esses sejam tribunais apenas de passagem. "Qualquer acuado em processo criminal tem direito a dois graus de jurisdição. Esse e o processo legal", afirmou o ministro, ressaltando que em boa parte do mundo as prisões já ocorrem depois da primeira ou segunda instância.
"A impossibilidade de execução imediata de decisão condenatória de segundo grau fomenta a interposição sucessiva de recursos protelatórios, que evidentemente não é coisa que se queira estimular", completou.
Já Rosa Weber disse que não se sentia confortável para mudar o entendimento da Corte.
Os ministros discutem pedido de habeas corpus contra decisão do Superior Tribunal de Justiça, que indeferiu pedido de liminar que pedia o sobrestamento de mandado de prisão expedido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo contra o condenado até o final do julgamento.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 10/12

IZAURA FERREIRA DE ANDRADE, 70 ANOS

ARAPONGAS
CLÁUDIO SILVA, 88 ANOS

IVAIPORÃ
VALDETE CORDEIRO PEREIRA, recém-nascida
MIRIAM PEREIRA DE LIMA, 70 ANOS
CLÓVIS DE ALCÂNTARA BRASIL, 53 ANOS

APUCARANA 09/12

HELENA CORREA DE ANDRADE, recém-nascida

MEGA SENA

CONCURSO 1884 · 10/12/2016

01 04 23 32 38 59