Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por apoio do PMDB, Planalto autoriza ministro da Saúde a voltar à Câmara

Loading...

POLíTICA

Por apoio do PMDB, Planalto autoriza ministro da Saúde a voltar à Câmara

DÉBORA ÁLVARES E GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em meio a um surto de microcefalia no país, o governo federal deu carta branca ao ministro da Saúde, Marcelo Castro, para que ele saia temporariamente da pasta e reassuma o mandato de deputado federal para reforçar o apoio ao líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ) e tentar garantir sua reeleição.
A saída do ministro ainda enfrenta resistências no Palácio do Planalto, preocupado com a repercussão diante da epidemia do vírus da zika, mas a presidente Dilma Rousseff decidiu deixar a decisão nas mãos do peemedebista, que tem manifestado a intenção de participar da disputa interna, marcada para quarta-feira (17).
Na tentativa de garantir sua reeleição, Picciani pediu a Castro que assuma o mandato, uma vez que o suplente do ministro é do PDT.
Além dele, o líder do partido articulou o retorno para a Câmara dos Deputados do secretário municipal Pedro Paulo Carvalho (Governo) e do secretário estadual Marco Antônio Cabral (Esporte), ambos do Rio de Janeiro.
Perguntado nesta segunda-feira (15) se deixará o comando da pasta para participar da eleição interna, Castro não excluiu a possibilidade, mas disse não haver "nenhuma decisão" sobre o tema. "Não discutimos com ninguém em profundidade sobre o assunto", disse.
À frente do Ministério de Ciência e Tecnologia, Celso Pansera disse que não deixará a pasta. Ele é próximo de Eduardo Cunha, mas seu suplente, José Nalin (PMDB-RJ), é afinado ao atual líder da sigla. Segundo ele, contudo, esse movimento de ida e vinda do ministério pode ter uma grande repercussão política.
ESTRATÉGIA
Picciani é o candidato favorito do Palácio do Planalto para vencer a eleição interna e sua vitória é importante para o governo federal no esforço de evitar a abertura de um processo de impeachment contra a petista.
Com a possibilidade de derrota do atual líder, no entanto, os ministros Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e Edinho Silva (Comunicação Social) se reuniram com Hugo Motta (PMDB-PB) no início do ano, na tentativa de garantir uma interlocução com ele, caso saia vitorioso.
No aceno mais explícito nesses encontros, Motta se comprometeu a, caso eleito, não indicar para a comissão especial do impeachment apenas deputados favoráveis ao afastamento da presidente.
A candidatura do deputado é vista como resultado da articulação do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para impedir a recondução de Picciani ao cargo.
Cunha tem trabalhado pessoalmente na eleição de Motta e faz questão de deixar vazar conversas em que ameaça o atual líder, Picciani, em caso de vitória, de não conseguir fazer as indicações que deseja para as comissões da Casa.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 05/12

APUCARANA YOSHIMATSU NIKI, 99 ANOS
JOSÉ BECEL, 80 ANOS
SULINA ANTÔNIO DA SILVA, 82

APUCARANA 05/12

YOSHIMATSU NIKI, 99 anos

SULINA ANTONIA DA SILVA, 82 anos

JOSE BECEL, 80 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1882 · 03/12/2016

09 10 19 35 37 41