Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Justiça nega recurso de ex-governador de MG condenado no mensalão tucano

Loading...

POLíTICA

Justiça nega recurso de ex-governador de MG condenado no mensalão tucano

JOSÉ MARQUES
BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um recurso do ex-governador de Minas Eduardo Azeredo (PSDB) contra a sentença que o condenou a 20 anos de prisão por peculato e lavagem de dinheiro foi rejeitado pela juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Melissa Costa Lage Giovanardi.
Azeredo foi o primeiro político condenado no caso conhecido como "mensalão tucano", em sentença dada pela própria Giovanardi em dezembro. Ele recorre em liberdade.
Segundo a Procuradoria-Geral da República, o esquema de lavagem de dinheiro teria irrigado a fracassada campanha de reeleição do então governador em 1998.
No recurso, a defesa do tucano questiona alguns aspectos da sentença da magistrada e diz que ela foi omissa em relação a declarações de outros acusados que inocentavam Azeredo. Também afirma que a juíza não levou em consideração um processo do Ministério Público movido contra o lobista Nilton Monteiro, uma das testemunhas do caso.
O pedido, chamado embargo de declaração, é um instrumento jurídico em que a defesa tenta obter esclarecimentos sobre a decisão.
A juíza diz, na decisão, que dedicou um capítulo inteiro sobre Monteiro na sentença que condenou Azeredo. Segundo ela, é "desnecessária a menção a um processo específico" contra o lobista.
Ela também negou omissão e afirmou que transcreveu declarações dos outros réus na sentença, mesmo que, para evitar prejulgamentos, não devesse tê-los mencionado em um processo do qual não faziam parte.
"Diante do exposto, não havendo qualquer omissão, contradição ou obscuridade na sentença, rejeito os embargos de declaração", diz a magistrada no texto. A decisão é do último dia 2 de fevereiro.
Azeredo renunciou ao mandato de deputado federal em fevereiro de 2014, quando foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República, para que o processo voltasse à primeira instância, onde é possível um maior número de recursos.
Desde março de 2015, o ex-governador é consultor da Fiemg (Federação de Indústrias de Minas) e tem um salário de R$ 25 mil. Ele e os outros réus do caso sempre negaram as acusações.
OUTRO LADO
A reportagem não conseguiu localizar o atual advogado de Azeredo, Castellar Guimarães. A defesa do tucano sempre negou que ele tivesse qualquer participação no esquema e afirmou que ele não era responsável pelas finanças de campanha.
Ao ser condenado, Azeredo disse à Folha que é inocente das acusações e que a magistrada "praticamente copiou" a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República desde 2007, usando como provas documentos que, segundo ele, são falsificados.
Além dos questionamentos sobre a decisão da juíza, a defesa de Azeredo também entrou com uma apelação contra a condenação.
O PSDB, por meio de nota, afirmou que "a decisão de primeira instância em relação a Eduardo Azeredo surpreendeu a todo" o partido, mas que está confiante de que ele pode apresentar, nas instâncias superiores, as razões de sua inocência e fazer com que a decisão seja reavaliada.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

22/02/2017 - 09h32

OBITUÁRIO

APUCARANA 22/02

MARIA DE FATIMA DA SILVA, 63 anos

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57