Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Decisão do STJ tenta desviar foco de escândalos federais, diz Richa

Loading...

POLíTICA

Decisão do STJ tenta desviar foco de escândalos federais, diz Richa

JULIANA COISSI
CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) - O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), atribuiu o fato de seu nome aparecer em duas investigações em curso no Estado, uma delas com abertura de inquérito no STJ (Superior Tribunal de Justiça), a uma tentativa de desviar o foco dos "escândalos no governo federal".
O STJ decidiu abrir inquérito contra Richa para apurar se um esquema de corrupção na Receita Estadual serviu para alimentar caixas de campanha eleitoral, incluindo a de Richa, em 2014, segundo denúncia de um delator, que é colaborador nas investigações.
A rede de propinas é investigada pela Operação Publicano. O governador tem negado as acusações e afirmado que as contas de sua campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.
"Nunca tive tantas ações como estou tendo agora. As coisas mudaram. Existe hoje a tentativa de investigar todos os gestores públicos, até, em algumas situações, com um ingrediente político para fazer um contraponto de todas as investigações, escândalos e denúncias em relação ao governo federal", disse Richa, em entrevista à imprensa, na manhã desta terça-feira (2), em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba.
Richa disse que já foi notificado da abertura do inquérito e que "é um assunto mais do que requentado" e "rotina normal" de um governador, por ter foro privilegiado no STJ, ter sua investigação por esse tribunal.
O governador chamou, ainda, de "balela" a acusação de ter recebido dinheiro de campanha desviado de esquema de corrupção na Receita e afirmou que, em seu governo, foi aberta uma investigação para punir os eventuais responsáveis.
Na última fase da Operação Publicano, em dezembro do ano passado, 40 auditores fiscais do Paraná foram presos, suspeitos de cobrar propinas milionárias de empresários em troca da anulação de dívidas com o Estado.
A suspeita é que o esquema movimentava em média R$ 50 milhões por ano em propinas e já funcionava havia três décadas.
Paralelamente às investigações da Pelicano, o Ministério Público Estadual recebeu em maio do ano passado uma denúncia anônima de que a mulher do governador, Renata Richa, exigiu doações à campanha do marido e a uma ONG à qual ela é vinculada em troca de promoção de auditores da Receita. A primeira-dama disse, na época, em nota, que a denúncia contra ela era um "atentado" e que jamais interferiu em temas administrativos do governo.
QUADRO NEGRO
Além da rede de propina montada na Receita Estadual, o governo Richa também é citado em outra operação, sobre esquema de desvio de recursos de contratos para a construção de escolas no Estado.
Na operação, batizada de Quadro Negro, foram presos ainda no ano passado um ex-diretor da Secretaria da Educação do governo tucano, além de quatro funcionários de uma empreiteira responsável pelo desvio.
Questionado nesta terça sobre a Quadro Negro, o governador disse à imprensa que todos os suspeitos foram demitidos e que os principais apontados como envolvidos na fraude foram presos pela Polícia Civil. "Vamos cobrar até o último centavo desviado do dinheiro público."
Pela tarde, em nota divulgada por sua assessoria, o governador disse desconhecer o teor da ação que chegou ao STJ, que corre sob sigilo, e afirmou que não há nenhuma relação entre seus gastos de campanha em 2014 e o os auditores fiscais denunciados pela Publicano.
Disse ainda que todas as contas de campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral, que nada teme e que é "o maior interessado na apuração completa e rápida" das denúncias.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 04/12

ONOFRE CIUFFI, 78 anos
TEREZINHA ARAUJO SOARES, 69 anos
ANGELINA MENEO PALUSSIO, 91 anos 
DIONISIO REMES, 60 anos
NATIMORTO, 0 anos
LINDOLFO HEINZ, 72 anos

APUCARANA 03/12

ALTAIR RAIMUNDO DE SOUZA, 46 anos
AMADEU FERNANDES, 58 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1882 · 03/12/2016

09 10 19 35 37 41